Range Rover Evoque 2014 e Sicilian Yellow – Características das novas versões



  

Montadoras como a inglesa Land Rover estão cada vez mais atuantes no mercado brasileiro. A companhia lançou o modelo 2014 do Range Rover Evoque e mais uma versão super exclusiva com apenas 20 unidades para o país, trata-se da versão Sicilian Yellow, ambas são luxuosas e apresentam uma gama de recursos surpreendentes. A empresa mantém o respeito ao mercado nacional e por isso é uma das marcas que mais vende modelos importados aqui, principalmente pelo status que a marca proporciona.

Começa pelo motor, que na versão de entrada e na versão exclusiva possui a mesma configuração: motor 2.0 a gasolina ou diesel, que gera 240 cavalos de potência. O Range Rover Evoque chega aos 100 km/h partindo do zero em 7,6 segundos e chega a uma velocidade máxima de 217 km/h. A transmissão é de seis velocidades, permitindo trocar de marchas sequenciais com as borboletas que ficam estrategicamente na parte traseira do volante.

Evoque Sicilian Yellow

Range Rover Evoque Sicilian Yellow





Foto: Divulgação

A versão Yellows Sicilian Limited Edition tem uma estética um pouco diferente, apresentando linhas mais expressivas em tons de amarelo bem chamativos. Ao todo serão 20 unidades para o mercado brasileiro ao preço de R$ 266 mil. Ele já está disponível em concessionárias da marca no Brasil A diferença é mais estética, com um spoiler traseiro mais esportivo, além dos faróis dianteiros e de neblina escurecidos, com luzes traseiras mais claras que o modelo de entrada. As rodas são de 20 polegadas na cor preto brilhante que contrasta bem com o design, dando mais agressividade ao veículo. Há também acabamentos na cor preta no escapamento. Por dentro, o modelo mantém o luxo da marca, com bancos revestidos em couro.

Na Europa foram lançadas novas versões híbridas do Range Rover que provavelmente não chegarão aqui. Seria bom vermos eles nas ruas brasileiras, sobretudo pelo sistema elétrico do motor, que apresenta a capacidade de reabastecer parte da bateria com a energia cinética gerada pelos freios, quando acionados. 

Por Robson Quirino de Moraes



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *