Produção de veículos registrou queda em junho no Brasil



  

Foram fabricados 184 mil veículos em junho, registrando uma queda de 14,8% se comparado a junho de 2014.

A crise financeira vem afetando as mais diversas áreas da produção econômica brasileira e a área automobilística não iria ficar de fora. No dia 6 de julho a  Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) divulgou os dados de  toda a produção automobilística nacional do mês de junho. Os números divulgados pela entidade revelam que foram fabricados 184 mil veículos no mês, o que revela uma queda de 14,8% se o número for comparado com o mês de junho do ano de 2014 e uma queda de 12,5% se o número for comparado com maio do ano atual.

Se for levado em consideração o percentual acumulado do ano de 2015, a diminuição na produção chega a 18,5%.

Até o momento foram fabricados cerca de 1,277 milhão de veículos no país.  Se forem comparados setores isolados do mercado, a produção de automóveis e veículos leves caiu cerca de 18%, a de caminhões caiu  45,2% e a de máquinas agrícolas e rodoviárias 24,4%. As maiores quedas foram registradas nos veículos de serviços. O que nos faz perceber que o brasileiro mesmo em crise ainda continua comprando os veículos de passeio, mesmo com a economia em uma fase não tão satisfatória. Segundo o presidente da Anfavea, Luiz Moan esse panorama de queda na produção foi determinante para a diminuição da quantidade de funcionários da indústria automobilística.

Durante o primeiro semestre deste ano, foram perdidos cerca de 9,6% dos postos de trabalho, quando comparado com os números registrados no mesmo mês do ano passado.  





Só no mês de junho, a empresa automobilística do país cortou cerca de 1.271 postos de trabalho, como consequência dos ajustes na produção e pela baixa demanda de mercado, o que fez  com que o setor fechasse o sexto mês do ano com cerca de 136.929 empregados, número 0,9% menor do que o mês de maio.

Por Patrícia Generoso

Produção de veículos

Foto: Divulgação



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *