Carro de luxo irá custar R$ 3.778.000,00 e terá 200 unidades produzidas.

O veículo Aston Martin Lagonda quando foi desenvolvido tinha o foco exclusivo nos clientes milionários do Oriente Médio, a fim de expandir os seus negócios, a fabricante do veículo que é uma empresa inglesa, resolveu mudar os planos e comercializar este veículo também no Reino Unido, contudo mesmo com esta expansão ainda o valor do carro não será muito acessível. Na Inglaterra, o bólido irá custar nada mais nada menos que R$ 3.778.000,00, valor este que para um veículo automotor é realmente astronômico.

Para o padrão britânico, este valor é realmente alto, porém os consumidores que quiserem adquirir este veículo por lá terão de adquiri-los sob encomenda, uma vez que a fabricante já anunciou que a fabricação deste carro para o mercado britânico será feita em apenas um lote que conterá apenas 200 unidades.

Todavia, este veículo realmente tem alguns diferenciais mesmo quando comparado aos outros carros de luxo existentes no mercado, um exemplo disso é o fato da carroceria dele ser toda confeccionada por meio de trabalhos manuais.

Este veículo possui o incrível comprimento de 5,4 metros e vem de fábrica com um propulsor V 12 que tem a impressionante capacidade de produzir uma potência máxima de 550 cavalos.

O fabricante de Gaylon oferta ainda para os seus clientes um pacote de acessórios para a personalização da divisão Q do veículo, fator este que faz com que cada unidade dele tenha ainda mais individualidade e, além de exclusividade, pois pode se tornar mais caro conforme o gosto do cliente e o valor que ele queira disponibilizar para personalizar o seu carrão.

Segundo as intensões do fabricante, em breve, outro mercado que já é um alvo da empresa é o da África do Sul.

Como este veículo é uma verdadeira preciosidade e raridade no mundo, a Aston Martin mantém em segredo os dados a respeito das vendas destes exemplares, sendo que ela não divulga nem a quantidade de veículos que já foram comercializados em cada mercado, dados estes que são um verdadeiro mistério e são guardados como segredo e debaixo de sete chaves.

Por Adriano Oliveira

Aston Martin Lagonda

Aston Martin Lagonda

Aston Martin Lagonda

Fotos: Divulgação


Confira as possíveis características do modelo

Segundo rumores da imprensa internacional, a Aston Martin estuda um novo substituto para o DB9. A ideia seria lançar o modelo, batizado de DB11, já em 2016, conforme antecipado pela revista Car. 

A princípio o esportivo manteria o motor V12 Ford, mas este passaria a ser turbo e entregaria muito mais do que os 517 cv e 63,22 mkgf de torque. A publicação ressalta ainda que o novo modelo também contaria com um bloco biturbo V8 4.0 litros de 462 cv e 61,18 mkgf, o mesmo do Mercedes AMG-GT.

Indícios levam crer que o novo modelo também seria muito mais econômico do que atual DB9, cujo consumo médio é de 7 km/l. Com lançamento previsto o ano que vem, o Aston Martin DB11 deverá ser uma das atrações do Salão de Genebra 2016.

Dentro de dois anos, a Aston Martin vai lançar o substituto do atual DB9 (na foto) que poderá chamar-se DB11. Os executivos da Aston Martin debatem-se acerca do nome que o sucessor do DB9 terá. “Será definitivamente um DB”, disse Marek Reichman, diretor de design da marca, à publicação Autocar. A incerteza assenta no numeral que se segue. Da última vez, com a passagem do DB7 para o atual, a marca saltou um número para “enfatizar o salto que o carro registava”. Reichman admite que com este carro, será uma melhoria pelo menos tão grande quanto o DB9, pelo que “não há razão para que não o façamos outra vez”. Ou seja, pode dar-se o caso de virmos a ter um DB11 em vez de um DB10.

Através da parceria com a Daimler, a AMG será responsável pela fabricação dos novos motores V8 Twin-Turbo. Porém, os blocos não serão exclusivos para a Aston Martin, sendo apenas alterados para soar de acordo com os parâmetros que a Aston Martin pretende.

De Estugarda vem também a transmissão automática de nove velocidades. O desenho do futuro carro também é incerto. Reichman afirma que, apesar de ser mais que uma evolução do modelo atual, “será sem sombra de dúvidas um Aston Martin e um DB” em termos de identidade.

Por Luiz Henrique Milha dos Santos

Substituto do Aston Martin DB9

Foto: Divulgação


Apesar de limitado em uma série com apenas 24 exemplares, os quais serão vendidos por um preço bem "salgado", o Aston Martin Vulcan chega com a proposta de oferecer um superesportivo ao estilo GT3, tendo a intenção de conquistar os colecionadores e amantes da velocidade; o nome do modelo tem origem no famoso mundo da aviação, sendo herdado do veterano bombeiro Avro Vulcan da RAF, participante na Guerra das Malvinas/Faklands.

Construído com o intuito de "bombardear" nas pistas os principais rivais, o Aston Martin Fulcan (AMC) tem frente ímpar com duas grandes entradas de ar laterais e grade enorme, além de projetores diminutos de LED nas laterais; a carroceria do AMC é em grande parte feita com fibra de carbono; assim, o bólido expõe de forma fácil esse material que é composto no visual.

Com escape lateral cromado, as laterais se destacam, sendo que o destaque na traseira fica por conta de uma enorme asa, além de um volumoso difusor de ar e o bico discreto, o qual tem a função de acionamento pneumático dos "macacos" que estão localizados no interior do veículo, o que acelera e facilita a permuta de pneus nos boxes. O que também não deixa de ser interessante são as lanternas em LED, as quais têm pequenos frisos brilhantes.

Quanto à parte interna, o Aston Martin Vulcan é recheado de fibra de carbono por todos os cantos, demonstrando o estilo muito radical; já o volante é do estilo fundo chato e totalmente aberto na parte superior, ou seja, voltado para a competição, da mesma forma que o cockpit, que envolve o piloto e oferece um cluster digital. Sobre os bancos, o formato é em concha e o habitáculo já vem com gaiola, da forma que a Federação Internacional de Automobilismo exige.

O AMC ainda dispõe de diferencial de deslizamento limitado, tubo de torque reforçado com fibra de carbono e magnésio, freios Brembo com pinças de perfomance avançada e com discos de cerâmica. O motor é um V12 7.0, o qual é aspirado com pouco mais de 800 cavalos, além de câmbio em sequência com seis marchas. Já sobre o bólido, a relação peso-potência deste supera a GTE no Mundial de Endurance da Federação Internacional de Automobilismo, segundo o fabricante de Gaydon.

Por Vinícius Cunha

Aston Martin Vulcan

Aston Martin Vulcan

Fotos: Divulgação


A fabricante britânica Aston Martin, empresa conhecida pela produção de carros esportivos de luxo, apresentou a nova versão do V12 Vantage Roadster. Trata-se do lançamento de um modelo conversível, baseado no já existente modelo cupê.

Em seu visual, é possível notar a diferença no desenho da traseira e também na parte inferior dianteira, onde fica localizada a entrada de ar. Além disso, há outros aspectos que diferenciam o modelo, como os detalhes feitos em fibra de carbono.

As especificações técnicas do novo modelo compreendem motor 6.0 V12, capaz de gerar até 517 cv de potência e torque máximo de 58,1 kgfm, combinado a um câmbio manual de seis marchas. O veículo permite uma velocidade máxima de até 305 km/h, atingindo de 0 a 100 km/h em apenas 4,5 segundos. O modelo conta também com o sistema “Sport”, que pode ser acionado através de um botão e garante uma resposta mais rápida na aceleração.

De acordo com as informações divulgadas, o conversível custa cerca de 10% a mais que o cupê, ou seja, seu valor equivale a R$ 472.695.

Entretanto, apesar do seu lançamento, o novo V12 Vantage Roadster não será comercializado em todos os mercados e terá que ser solicitado sob encomenda.

Por Anne A. Matioli Dias


Umas das fabricantes de automóveis de luxo do mundo, a britânica Aston Martin divulgou que também entrará no mercado dos automóveis elétricos. Essa é uma tendência para o futuro, e a marca inglesa parece disposta a investir na categoria. A previsão para o modelo chegar às ruas é por volta de 2013.

O projeto do carro elétrico da Aston Martin está sendo desenvolvido em parceria com a montadora japonesa Toyota, e será baseado no modelo Cygnet. A versão da Toyota deve começar a rodar um ano antes da versão da montadora inglesa. Por enquanto não há maiores detalhes sobre os veículos.

Mas, apesar da preocupação ecológica, e das exigências da União Europeia quanto às emissões de carbono, a Aston Martin não parece disposta a desenvolver toda uma linha de carros elétricos. Provavelmente o modelo será o primeiro e o único a ser lançado pela marca de luxo nos próximos anos.

Pelo jeito é muito pouco provável que vejamos o espião James Bond em loucas perseguições nas telas dos cinemas à bordo de um esportivo de luxo da Aston Martin com propulsão elétrica. Se bem que na ficção tudo é possível…

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: Info





CONTINUE NAVEGANDO: