Com maior poder calorífico em relação ao etanol norte-americano proveniente do milho, a produção brasileira baseada na cana-de-açúcar deverá “contribuir” para a diminuição nas projeções mundiais de biocombustíveis. De acordo com a Agência Internacional de Energia (AIE), a seca no Centro-Sul brasileiro arrefeceu a fabricação…



CONTINUE NAVEGANDO: