Novo veículo deve se chamar I-Type ou I-Pace. Carro deve ser lançado em 2018.

As empresas dos mais diversos setores há algum tempo investem no mercado sustentável, por vários motivos, como a preocupação com o meio-ambiente, passar uma boa imagem para o público ou para firmar acordos e para outros tantos.

Seguindo esse conceito, a fabricante de carros luxuosos, a inglesa Jaguar, está seguindo esse preceito ao anunciar que está trabalhando para o desenvolvimento do seu primeiro carro elétrico, com previsão de lançamento para o ano de 2018.

O grande benefício dos carros elétricos é que eles não são poluentes, não emitem nenhum tipo de gás que prejudicaria o ambiente. Além, é claro, de não emitirem nenhum tipo de som, dessa maneira evitam os ruídos, muitas vezes prejudicais à saúde das pessoas.

Faz parte do imaginário da população possuir entre seus bens um carro luxuoso e a montadora inglesa ao unir o luxo ao sustentável, dá um salto em seus negócios, pois a preocupação com vertentes sustentáveis é um quesito que muitas pessoas valorizam. Até o Governo está incentivando as pessoas a adquirirem carros classificados como verdes, que quase não agridem o meio ambiente. A prova disso é que o Governo está zerando impostos de importação para carros elétricos e a hidrogênio. Vale lembrar que com essa isenção o preço do automóvel cai em 35%.

A montadora não divulgou mais detalhes sobre o projeto, as únicas informações obtidas até o presente momento é que ela já registrou dois possíveis nomes (I-Type e I-Pace) para os automóveis. Também não se sabe se os carros serão modelos totalmente originais ou um aprimoramento de algum modelo já existente.

Quem sabe ao apostar nesse novo setor de criação a montadora inglesa não consiga ser a quarta representantes do setor automobilístico a participar da tradicional lista das “100 empresas globais mais sustentáveis” publicada pela revista canadense “Corporate Knights”. As empresas que participam desse ranking são em 6º lugar a Bayerische Motoren Werke (BMW/ montadora alemã); em 60º lugar a Daimler (empresa alemã) e em 81º lugar a Renault (fabricante francesa).

Por Isabela Castro


Carro elétrico tem previsão de ter sua produção nacional iniciada em 2017 na fábrica de Resende, no Rio de Janeiro.

O ano de 2016 vem se mostrando cada vez mais como o ano da revolução dos carros elétricos aqui no Brasil. Primeiramente foi informada pela Kia a produção do Soul elétrico, e agora a Nissan entra com o Leaf para competir no mercado dos veículos elétricos no país. E para o ano de 2017, a expectativa é que a produção nacional do automóvel se inicie na fábrica de Resende, no Rio de Janeiro.

Embora ainda não seja comercializado no Brasil, a Nissan confirmou a importação de exemplares do veículo para o país.

O veículo elétrico chega ao mercado nacional com novidades. A principal delas se encontra na autonomia do automóvel que será aumentada em 120 km. A versão atual do carro possui autonomia de 150 km com a bateria totalmente carregada, já o modelo 2016, que será comercializado no Brasil alcançará incríveis 270 km.

João Veloso Jr., diretor de comunicação da Nissan no Brasil, afirmou em entrevista a conceituada revista Quatro Rodas, que a empresa tem como objetivo de produzir o veículo no ano de 2017 aqui no Brasil utilizando o sistema CKD, onde as peças são produzidas no exterior, chegando prontas aqui, porém, com a montagem do veículo sendo feita nacionalmente.

Para o ano de 2020 a expectativa é que o veículo seja 100% produzido no Brasil. Outra possibilidade destacada por Veloso Jr., é a possível produção nacional do furgão E-NV200 da empresa.

O que faz com que a empresa se importe tanto com o mercado brasileiro é o fato de que o governo garante a isenção do IPI (imposto sobre produto industrializado) sobre veículos elétricos.

Após a aprovação da resolução que isenta os veículos elétricos, veículos com propulsão a hidrogênio e híbridos do tipo plug-in da taxa de importação, espera-se que o mercado desse tipo de veículo cresça consideravelmente no Brasil, pois isso pode causar uma redução do preço final do produto importado em torno de 30%.

Com a redução do imposto, estima-se que o preço do Leaf no Brasil seja de R$ 140 mil, e mais barato ainda após a produção nacional do produto.

Por Igor Furraer

 

Nissan Leaf no Brasil

Nissan Leaf no Brasil

Fotos: Divulgação


Tendência ecológica. Hoje o mercado automobilístico passa por uma espécie de povoamento 'verde'. Não me refiro à cor do carro e sim ao fato de novos automóveis que utilizam novas fontes energéticas em seus motores.

Os automóveis movidos a derivados de petróleo vêm, de maneira muito lenta e sinceramente não muito significativa, perdendo espaço para automóveis que utilizam energia elétrica ou mesmo biocombustíveis. Nessa briga pelo mercado renovável existem duas classes de automóveis em especial que serão discutidas aqui, os elétricos e os híbridos.

Os carros elétricos, como o próprio nome já diz, têm seus motores à combustão substituidos por células elétricas. À primeira vista, a principal diferença entre um carro elétrico e um carro movido à gasolina, é que o carro elétrico é bem mais silencioso.

O motor elétrico é sustentado por diversas baterias, associadas a um regulador. As baterias são carregadas na rede elétrica, exatamente como é feito com aparelhos celulares, tablets, etc. Em geral, não possuem um sistema de marchas, contando apenas com acelerador e freios, assemelhando-se a um carro automático.

O principal ponto negativo deste tipo de veículo está em sua autonomia: apesar dos constantes avanços na área, os carros elétricos nao têm bateria suficiente para percorrer grandes distâncias.

Os automóveis híbridos funcionam em um sistema diferenciado. O sistema híbrido mais comum usado em automóveis hoje é o sistema gasolina x eletricidade, embora algumas indústrias já tenham anunciado estar trabalhando em veículos diesel x eletricidade.

Como você pode perceber, nesse tipo de veículo utiliza-se a energia por combustão combinada à energia elétrica. Se por um lado um carro à combustão é muito poluente e por outro o carro elétrico tem pouca autonomia, os híbridos tentam trazer o melhor de dois mundos: mais eficiência e autonomia e menos poluição.

Existem híbridos em paralelo ou em série. Nos híbridos em paralelos, a rotação do motor que permite a movimentação do automóvel é gerado por duas fontes em comum, a elétrica e a energia de combustão. Nos híbridos em série, o motor à combustão funciona como uma espécie de gerador para o motor elétrico, que será responsável pelo movimento do automóvel.

Tendo em vista essas características, é importante se notar quais distâncias serão percorridas, qual a autonomia necessária para o condutor, qual a velocidade de resposta (aceleração do carro) o motorista deseja, entre outros.

Se o motorista não percorrerá grandes distâncias e nem precisará de grandes potências, o carro elétrico é ideal, sendo muito menos poluente e mais econômico. Se o motorista deseja mais autonomia, será melhor um híbrido, que será um pouco mais poluente e terá um custo relativamente maior em relação ao elétrico.

Por

Foto: divulgação


O segmento ecológico da marca BMW, chamado BMWi, lançou o seu veículo elétrico i3 em Nova Iorque, Pequim e Londres. O carro será comercializado em novembro no Mercado Europeu. No Brasil, a previsão de lançamento do veículo é para 2014.

Com valor inicial em US$ 46 mil (aproximadamente R$ 104 mil), o i3 apresenta tração na traseira e motorização elétrica chegando a 125 kW, o mesmo que 170 cavalos de potência. O veículo é carregado com uma bateria de lítio.

A marca BMW informou que lançará uma opção com motorização de combustão interna com 650cc e 34 cv. A unidade tem capacidade de gerar energia para a bateria de lítio, estendendo a autonomia do i3 em 300 quilômetros.

No que se refere à estrutura, a marca alemã fez investimentos em elementos de fibra de carbono e também de alumínio. Tal combinação resulta em um carro com apenas 1.195 quilos. De acordo com informações da assessoria de imprensa da BMW, a base da arquitetura do veículo, chamada LifeDrive, tem separação em 2 blocos, nomeados de superior e inferior.

Por Marcelo Araújo


Um dos eventos mais repercutidos no mercado de veículos mundial tem sido o Salão de Paris, que será realizado no próximo dia vinte e sete de setembro. A Nissan estará presente no evento e apresentará o TeRRA, seu novo SUV Concept, que contará com um destaque que une desempenho às últimas inovações tecnológicas. O carro trará um tablet como substituto do painel tradicional.

Essa novidade funcionará da seguinte forma: o motorista do SUV pode acoplar o tablet na frente do volante, em um local estratégico. Funcionando como uma docking station, após conectado, o tablet fará a exibição das informações que ficariam no painel como: velocidade, nível de gasolina, metragem, entre outras.

Além disso, há a opção de exibir um sistema de navegação, comunicação e entretenimento do TeRRA. Apesar do funcionamento com o carro ligado, não há a necessidade de deixar o tablet no volante.

Com o veículo desligado, o motorista pode tirar o equipamento. O tablet, quando desconectado, volta a assumir suas funções originais, mas se mantém ligado ao TeRRA SUV.

Fora essa opção tecnológica, o TeRRA funciona com eletricidade, impulsionado por motor elétrico com células de combustível.

Por Marcelo Araújo


Em 1990 diversos carros da Lada chegaram ao Brasil e fizeram grande sucesso no país, porém em 1997 a montadora teve o negócio suspenso. A companhia nunca deixou de trabalhar e continuou criando novos modelos, um deles é o El Lada, um carro elétrico bem parecido com o hatch Kalina, mas com motorização elétrica. O veículo foi o grande destaque da Lada no Salão de Moscou, na Rússia, que aconteceu no final do mês passado.

Segundo a fabricante, o modelo elétrico conta com Pack de baterias de íon lítio, que foram montados no porta-malas e permite que o automóvel percorra até 150 km sem a necessidade de fazer uma nova recarga. A bateria é recarregada totalmente em apenas 8 horas e a reposição da energia é feita em tomadas trifásicas. Além disso, o El Lada consegue atingir até 130 km/h de velocidade máxima.

Por enquanto, o veículo não estará disponível para o consumidor final na Rússia, pois primeiramente ele será testado por alguns taxistas da região de Stavropol, que fica no sudeste do país. A montadora afirma que o lote inicial do El Lada será entregue até o último trimestre deste ano e cada modelo custará aproximadamente R$ 67.615

Por Felipe Santos Bonfim


Os carros elétricos e híbridos – a grande tendência do mercado automotivo – podem chegar ao público brasileiro no próximo ano se houver uma mudança nas regras comerciais.

Isso porque atualmente no país o diesel é proibido para carros de passeio e os elétricos e/ou híbridos são vetados pela ausência de incentivos públicos. Mas esta situação pode mudar, pois há uma previsão de que em janeiro de 2013 o lobby do etanol e do pré-sal seja rompido pelo Ministério da Fazenda diminuindo o IPI dos automóveis "verdes".

Se esta possibilidade se confirmar carros elétricos como o Renault Fluence Z.E. e o Renault Twizy podem desembarcar no Brasil de vez. O Fluence possui um preço de aproximadamente R$ 67 mil, não tem emissão de poluentes, tem o para-choques e as lanternas modificadas, possui baterias elétricas que ficam entre o habitáculo e o porta-malas do carro. O seu motor possui 95 cavalos de potência, com um torque de 22 kgfm.

Já o Renault Twizy, de uso urbano, é uma junção entre o carro e a moto com sete cavalos de potência e autonomia de 45 quilômetros, não exige carteira de motorista e pode ser conduzido por qualquer pessoa com mais de 16 anos de idade. Possui 2,33 metros de comprimento, carroceria metálica com cobertura em fibra e plástico, teto panorâmico e espaço para duas pessoas e bagageiro com capacidade de até 55 litros.

Portanto, assim que os empecilhos econômicos e políticos forem retirados o Brasil terá a grande possibilidade de ter à disposição de seus motores uma verdadeira frota de carros confortáveis, inovadores e sustentáveis.

Por Ana Camila Neves Morais


A Rio +20, evento que vai discutir a situação do meio ambiente no mundo, terá um momento diferenciado para os aficionados por veículos. A marca brasileira Agrale vai apresentar o Marruá, utilitário em nova versão que funcionará com o sistema elétrico.

O nome do veículo é AM 50 e promete não ocasionar poluentes durante o seu funcionamento. O modelo foi desenvolvido pela fabricante de veículos em parceria com a Itaipu Binacional.

O novo modelo do Marruá terá motor com 54 cavalos de potência, torque de até 13,3 kgfm e tração nas quatro rodas. Para ficar em andamento, o utilitário contém duas baterias de sódio que podem ser recarregadas. A autonomia prometida do veículo é de 100 km.

Segundo o diretor técnico da Agrale, Pedro Soares, o Marruá será utilizado para locomoção em áreas de preservação permanente pelo fato de não emitir poluentes e possuir baixos níveis de ruído, o que não traz perturbação aos animais destes locais. Aliás, modelos parecidos com esses já são utilizados há anos na Itaipu, que foi uma das empresas inovadoras neste tipo de veículo.

A Agrale não especificou se o veículo será vendido para consumidores comuns.

Fonte: Agrale

Por Matheus Camargo


O subcompacto ForTwo já começou a ser produzido na Europa pela Smart. A fabricante anunciou recentemente a nova versão do veículo, que utiliza o sistema elétrico como modo de funcionamento. O modelo Eletric Drive é produzido na França e vem com a promessa de difundir um carro que traz menos prejuízos ao meio ambiente.

Apesar de ser elétrico, a ideia da Smart é confirmar que os carros deste tipo podem ser usados por consumidores comuns. Por isso, o motor do ForTwo tem 75 cavalos de potência. A velocidade máxima do veículo é de 125 km/h, mas ele acelera de 0 a 100 km/h em apenas 4,8 segundos. A autonomia do ForTwo é de cerca de 145 km, já que ele utiliza uma bateria com 17,6 KWh.

O veículo começa a ser vendido já no segundo semestre na Europa. As vendas serão realizadas de duas formas diferentes, sendo uma delas a aquisição ou leasing do carro e aluguel da bateria feito por mês ou ainda através do leasing ou compra do ForTwo com a bateria já inclusa.

Na Alemanha, o automóvel será vendido pelo valor de 18.910 euros sem a bateria, com o aluguel da mesma custando 65 euros mensais. Se a compra do ForTwo for com a bateria incluída, o preço será de 23.680 euros.

Por Matheus Camargo

Fonte: Smart


A Volvo anunciou recentemente uma super novidade: 2012 será o lançamento de carros híbridos passíveis de carregamento através de tomadas. Isso mesmo, os veículos da marca serão carregados na energia elétrica e farão até 50 km no modo elétrico, além de 1.200 quilômetros com combustível convencional.

Com essa proposta, a ideia da Volvo é agregar sustentabilidade e economia através da emissão zero de CO2 possibilitada pelo seu motor elétrico. A marca Sueca quer ainda otimizar o desempenho dos carros e diminuir a produção de poluentes até mesmo nos motores movidos a combustão. Mas o resultado das pesquisas, nas quais a montadora tem se empenhado, será visto provavelmente em modelos futuros.

Ao que tudo indica, a plataforma utilizada nos carros elétricos da Volvo será a mesma vista no C30, apresentado no Salão do Automóvel de Detroit, evento de autos que ocorreu em janeiro desse ano.

A iniciativa é de fato sensacional, resta saber se o carro terá um bom desempenho, um consumo adequado e se chegará ao Brasil por um preço acessível. Essas são questões que só serão respondidas com o tempo.

Por Larissa Mendes de Oliveira


O termo sustentabilidade está cada vez mais em discussão em todas as áreas do mercado e não poderia ser diferente no setor automotivo. Visto como um dos futuros lançamentos da Chevrolet, o Volt, promete prazer ao usuário e preservação do ambiente ao seu redor.

O carro é elétrico e não dispersa poluentes, mesmo percorrendo grandes distâncias. O sistema de propulsão utiliza exclusivamente eletricidade e com uma pequena quantidade de bicombustível, álcool ou gasolina, o veículo consegue produzir a energia necessária para andar centenas de quilômetros.

A ideia é apresentada já no nome “Chevrolet Volt” – “Grandes possibilidades para um futuro mais sustentável”. “É um veículo moderno, que apresenta um design arrojado e utiliza pouco ou nada de combustível. Um carro ecologicamente correto e com muito estilo”, informa o portal da empresa de automóveis na internet.

Para conseguir realizar esse desempenho, o veículo consegue utilizar eletricidade da sua bateria e, também, produz por meio de um motor de combustão interna. É como se fosse um gerador de energia dentro do próprio carro.

A autonomia do veículo, utilizando somente energia, é de 64 km. Confira mais informações de detalhes sobre o futuro carro da Chevrolet no site: www.chevrolet.com.br.

Por Paulo Talarico


A empresa americana Fisker Automotive teve o privilégio de produzir o primeiro carro de luxo elétrico do mundo. Quando os holofotes focaram o belo carro no evento North American International Auto Show 2008, houve um enorme alvoroço, não só pelo seu belo design, como também por toda sua performance.

O que faz o Fisker Karma um carro notável, entre outras qualidades, é que os primeiros 80 quilômetros podem ser rodados apenas à eletricidade, gerada pela bateria de íon-lítio.

A empresa prevê a venda de 15 mil carros por ano.

Segundo o presidente da empresa, Henrik Fisker, o veículo foi projetado para quem tem pura paixão por carros novos, diferentes e que ainda se preocupa com a sustentabilidade do planeta.

O design do carro é notavelmente original e captura as forças dinâmicas da natureza, tornando o Fisker Karma um verdadeiro carro de luxo híbrido e ecologicamente correto.

A empresa afirma que todos os materiais usados no veículo são ambientalmente conscientes e sustentáveis.

Confira alguns detalhes do Fisker Karma:

  • É um sedã esportivo de quatro portas.
  • Possui um pequeno motor abastecido a bateria de íon-lítio, gerando eletricidade a partir das rodas traseiras.
  • O veículo é capaz de atingir a marca de 0 a 96 km/h em seis segundos, conseguindo passar dos 200 km/h.
  • O teto solar do veículo gera energia quando parado, e desta forma auxilia a refrigeração interior, ou seja, o carro fica sempre “fresquinho” mesmo embaixo do sol.
  • O seu peso é semelhante a de um Porshe 911.

Sem dúvida o Fisker Karma é um carro do futuro, pois daqui para frente a tendência será fabricar carros cada vez mais ecológicos e sustentáveis. O Planeta agradece.

Por Dorcas Rosicler


Umas das fabricantes de automóveis de luxo do mundo, a britânica Aston Martin divulgou que também entrará no mercado dos automóveis elétricos. Essa é uma tendência para o futuro, e a marca inglesa parece disposta a investir na categoria. A previsão para o modelo chegar às ruas é por volta de 2013.

O projeto do carro elétrico da Aston Martin está sendo desenvolvido em parceria com a montadora japonesa Toyota, e será baseado no modelo Cygnet. A versão da Toyota deve começar a rodar um ano antes da versão da montadora inglesa. Por enquanto não há maiores detalhes sobre os veículos.

Mas, apesar da preocupação ecológica, e das exigências da União Europeia quanto às emissões de carbono, a Aston Martin não parece disposta a desenvolver toda uma linha de carros elétricos. Provavelmente o modelo será o primeiro e o único a ser lançado pela marca de luxo nos próximos anos.

Pelo jeito é muito pouco provável que vejamos o espião James Bond em loucas perseguições nas telas dos cinemas à bordo de um esportivo de luxo da Aston Martin com propulsão elétrica. Se bem que na ficção tudo é possível…

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: Info


Um ano antes de iniciar a sua produção, a Renault já divulga alguns detalhes do seu carro ecológico, o Zoe, provável substituto do Clio. Além de ser 100% movido a energia elétrica, não apresenta barulhos e também não emite nenhum poluente. Suas linhas arredondadas e salientes dão um ar futurístico e calmante ao novo automóvel.

O Zoe tem um motor de 60 kW que chega a 80 Cv e a 222 Nm de torque e alcança a velocidade máxima de 200 km/h. Além disso, ele é bem econômico e possui um sistema de autonomia que usa a energia cinética gerada na desaceleração para armazenar a carga na bateria. E antes de entrar no carro, o motorista ainda pode programar o pré-aquecimento ou o pré-condicionamento do ar interno.

Parece que os carros vistos em cenas de filmes futurísticos já estão chegando ao nosso alcance. É só esperar para não ter mais ruídos ou poluição nas ruas congestionadas das grandes metrópoles.

Por Flávia Yoshitani


Os carros conceitos e os protótipos são a base do futuro da indústria do automóvel. Neles se desenham as linhas inovadoras, os novos e surpreendentes visuais, as tendências que irão se tornar a realidade dos carros que guiaremos pelas grandes cidades. Neles também se projetam inovações tecnológicas, sistemas novos de dirigibilidade, conforto e segurança. A tecnologia que visa nos ajudar a guiar estes modelos em um futuro próximo.

Quase tão interessantes quanto os lançamentos de modelos que em breve estarão nas concessionárias e lojas, estes estandes nos salões de automóveis chamam a atenção pela criatividade e versatilidade das equipes de criação das montadoras. E a Nissan preparou para o Salão do Automóvel de Genebra, Suíça, um protótipo de carro esportivo elétrico chamado de Esflow que promete manter o interesse dos apaixonados por carros também no que diz respeito ao futuro. Com um visual ao mesmo tempo moderno e um tanto retrô, o Esflow tem boas linhas aerodinâmicas com uma frente alongada e cheia de contornos e uma traseira de desenho sofisticado, este desenho mantém a sedução dos esportivos com suas linhas arrojadas.

Projetado para duas pessoas e montado com chassi de alumínio o carro tem tração traseira. Mas talvez sua grande vantagem seja o fato de possuir tecnologia idêntica ao modelo Leaf, que já está a venda e que vem se tornando um sucesso. A propulsão elétrica vem se tornando o caminho natural para os carros esportivos normalmente super potentes e que não só consomem muito como emitem altos níveis de poluentes. Com a eletricidade os esportivos ganham fôlego. Assim como o Leaf, o protótipo Esflow possui um motor movido a eletricidade em cada roda e que de acordo com a fabricante, podem levar o modelo em menos de cinco segundos a um arranque de 0 a 100 Km/h.

Suas baterias de íon-lítio podem lhe garantir 240 Km de autonomia. Resta agora torcer para que de protótipo o modelo evolua pra a versão de produção. O planeta e os apaixonados por carros esportivos irão agradecer.

Por Mauro Câmara 


A Tesla, fabricante norte-americana que investe pesado no desenvolvimento de carros elétricos colocou o seu próximo veículo, o Model S, em sua última fase de testes, com simulações em computadores e testes de direção sob as mais variadas condições de clima.

O protótipo é um sedã totalmente movido a energia elétrica de linhas elegantes, frente imponente e com design que agradará aqueles que além de buscarem um carro com zero emissão de poluentes possuirá desenho charmoso e requintado. O modelo tem ainda outra característica peculiar para um sedã: possuirá capacidade para sete ocupantes, contando com bancos dobráveis no porta-malas.

De acordo com informações da fabricante o veículo será oferecido em três tipos de configuração de baterias que darão autonomia de 258, 370 e até 483 quilômetros. O Model S poderá atingir, a velocidade máxima de 209 Km/h.

Após esta fase de testes a produção do novo modelo elétrico deverá ser iniciada no ano que vem e nos Estados Unidos deverá custar algo em torno de US$ 49.000.

Por Mauro Câmara

Fonte: Carro Online


A busca pela excelência em qualidade dos produtos e em se tratando de carros, os serviços pós-venda, tem tomado cada vez mais a atenção das montadoras. E a Nissan deu um importante passo para estabelecer um diferencial na manutenção de um de seus modelos mais interessantes: o elétrico Leaf, que já está nos mercados do Japão e Estados Unidos e que vai chegar logo a Europa.

Denominado de “Assistência Técnica Remota”, o sistema se baseia em câmeras que permitem que engenheiros acompanhem a execução dos serviços de manutenção nas concessionárias. Através da internet, a equipe de engenheiros troca informações sobre peças e serviços de manutenção referente ao modelo.

Conforme divulgado pela montadora, o novo sistema é mais uma forma de tornar ainda mais eficiente a manutenção dos veículos, principalmente em um modelo elétrico como o Leaf, que requer cuidados especiais, principalmente nos quesitos relacionados às baterias e ao conjunto elétrico do carro.

Por Mauro Câmara

Fonte: G1


Que o futuro dos automóveis reside nos híbridos e elétricos, e também porque não dizer, o futuro do próprio planeta, isto é um fato que vem se consolidando cada vez mais. Mas como toda nova tecnologia em desenvolvimento, ainda apresenta problemas, principalmente em termos de eficiência.

Como amplamente se debate, o “x” da questão está nas cargas das baterias atualmente utilizadas para manter a propulsão dos veículos. Baseadas em íons de lítio ou níquel, de acordo com especialistas, elas possuem pouca capacidade de carga, além de necessitarem de muito tempo para recarga. As atuais baterias não garantem ainda uma boa autonomia para os veículos e talvez não atendam a demanda que será necessária quando os veículos elétricos forem a maioria no trânsito.

Buscando resolver este problema as montadoras investem em pesquisas e é isso que a Toyota está fazendo em seu centro de tecnologia nos Estados Unidos, pesquisando novas alternativas para substituírem as atuais baterias. De acordo com sites especializados, estudam-se materiais como magnésio e enxofre para a substituição dos atualmente usados, pois os novos teriam uma maior capacidade de armazenamento de energia, o que aumentaria a eficiência dos novos veículos.

Com previsão de que até o ano de 2020 estas novas baterias se tornem realidade, as pesquisas de novas formas de geração de eletricidade para os veículos do futuro por si só representam uma maior conscientização sobre as atuais necessidades do planeta e principalmente o caminho certo a ser trilhado.

Por Mauro Câmara

Fonte: Carro Online


A preocupação ambiental tem atingido amplamente o segmento de veículos automotores. A maior – e melhor – conscientização da população tem acarretado investimentos por parte das fabricantes, que anunciam, esporadicamente, novidades entre carros elétricos e híbridos.

A Toyota, uma dessas, estuda a criação de uma bateria com ao menos o dobro de capacidade energética das íon-lítio, utilizadas em híbridos. Trata-se de uma bateria de magnésio, atualmente em desenvolvimento em Michigan entre a montadora e laboratórios químicos japoneses.

Jeffrey Makarewicz, responsável pelo centro de estudos situado nos Estados Unidos, ressaltou recentemente que as baterias de íon-lítio não apresentam boa suficiência para póstumos automóveis híbridos e elétricos plug-in (carregáveis por meio de tomada comum residencial).

Apesar das perspectivas, a novidade só deve estar definitivamente pronta, segundo Makarewicz em matéria veiculada pelo Guia Quatro Rodas, em 2020.

Por Luiz Felipe T. Erdei


A General Motors decidiu alavancar sua marca produzindo um modelo elétrico. Batizado de Volt, o carro vem equipado com motor movido a eletricidade e chega a rodar até 80 km. Ainda não foi divulgada a quantidade de modelos que sairão para a comercialização, mas a expectativa é grande.

Os modelos serão exportados a partir do final de 2011 e o valor custará a partir de US$ 41.000 em seu país de origem.

A concorrência será grande, pois o Nissan Leaf, que também é elétrico será produzido no mesmo mês que o Volt. Agora é aguardar para ver quem leva a melhor!

Juliana Alves


A Nissan Leaf gera zero de emissão, e suas baterias de íon-lítio dão uma autonomia de 200 km, tracionado por um motor de 110 cavalos de potência, podendo atingir os 145 km/h de velocidade máxima. O visual diferenciado dos outros carros sustentáveis deixa a Nissan Leaf em destaque.

O capô alongado, com faróis pontiagudos e a ausência de radiador possibilitaram uma melhor aerodinâmica. O espaço elegante no seu interior proporciona maior visibilidade e proporciona muito o conforto, tendo acabamento em couro e camurça. Os itens de série da Nissan Leaf são os freios ABS com distribuição eletrônica de frenagem, ar condicionado e airbags.

Para a recarga das baterias, serão duas as opções: carga normal que dura oito horas em uma saída de 220 volts, ou recarga rápida em postos especializados, nos quais a recarga demora apenas 30 minutos.

Fonte: Quatro Rodas

Por Gerson de Morais


Imagine um carro elétrico esportivo com 526 cavalos de força, capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 4 segundos. Isso ainda não existe, mas é o que promete a Mercedes-benz com o futuro SLS AMG elétrico. A performance é quase a mesma de um SLS AMG comum.

Para conseguir esse desempenho, a Mercedes-benz faz uso de quatro motores elétricos, um para cada roda. As baterias de 400 V podem ser parcialmente alimentadas pela força das freadas, sistema oriundo da Fórmula 1, conhecida como KERS.

O SLS AMG E-Cell ainda é um protótipo, e não tem previsão de lançamento. Dados sobre autonomia e tempo de recarga das baterias não foram divulgado pela Mercedes-benz. Esse ainda é um problema que tira os sonos de muitos engenheiros que desenvolvem carros elétricos.

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: Carro Online


O mercado de carros elétricos deve ser bem promissor aos olhos das montadoras. A Nissan, por exemplo, em parceria com a Renault tem planos bem ambiciosos. O Leaf, da Nissan, deve ser um dos primeiros modelos a ser fabricados em grande escala no mundo e já estaria na Europa iniciando uma espécie de fase pré-venda.

O plano das duas montadoras é conseguir tirar da linha de montagem algo em torno de 1 milhão de veículos como o Leaf anualmente. E não apenas um modelo, mas 8. E segundo as empresas, sem a necessidade de incentivos dos governos.

Para isso, estão em vista a construção de duas fábricas nos Estados Unidos. Uma prevê a construção de 150 mil unidades anuais do Leaf e 200 mil baterias no mesmo complexo. Já em outra cidade serão fabricadas apenas baterias de íon-lítio.

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: Olhar Digital


A Chevrolet apresentou o Volt MPV5, seu crossover elétrico, que apesar de contar com motor a combustão de 1.4 l, este não serve para a tração, mas sim para gerar carga extra às baterias de íons de lítio.

O MPV5 tem potência de 150 cv que são gerados pela sua bateria de 16 kwh e tem autonomia de quase 52 quilômetros (somente com as baterias elétricas) e mais 480 km com auxilio da carga extra.

Toda a parte dianteira é igual ao do Volt sedã e seu porta-malas tem capacidade para até 1.764 l, com os bancos traseiros rebatidos.

Como todo carro elétrico não é um primor de velocidade, mesmo assim alcança até 160 km/h, uma boa velocidade final.


Você sabia que a Hertz Rent-A-Car, maior empresa do mundo em carros de aluguel, tem planos de utilizar um carro conceito totalmente elétrico?

A idéia é fazer com que o Nissan Leaf esteja disponível em alguns locais dos Estados Unidos e Europa, sendo que os primeiros lançamentos devem ocorrer já em 2011.

O Nissan Leaf é um carro com autonomia para cerca de 150km, possui cinco lugares e deve ficar bem popular tanto para a venda quanto para aluguel.

O carro pode ser carregado totalmente em 8 horas, podendo ser ligado em tomadas de 220 volts.





CONTINUE NAVEGANDO: