Novo projeto de lei busca autorizar a fabricação e a venda de carros leves a diesel no Brasil.

Essa semana pode ser decisiva para o setor de automóveis. Isso porque está em tramitação e, ao que tudo indica, vai à votação nesta semana, um projeto de lei que autoriza a fabricação e venda de carros leves a diesel no Brasil. Após inúmeros anos de tentativas, pareceres negativos em comissões técnicas e muitas opiniões contrárias da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, e de alguns empresários, citando a Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio, a ideia voltou à tona. Dessa forma, o combustível, tido como poluente, seria utilizado por veículos leves.

Segundo alguns especialistas ambientalistas, os utilizadores do diesel, até o momento, são caminhões, ônibus e carros comerciais. Somente pela utilização deste, poderia-se observar uma grande poluição do ar. Com a aprovação do projeto, o número de doenças poderia aumentar, causando a morte precoce de pessoas pelo material.

O óleo diesel é derivado do refinamento do petróleo, sendo uma fonte limitada e não renovável. Constituído de hidrocarbonetos de carbono, este possui incontáveis impurezas de enxofre, nitrogênio e oxigênio. O tema sobre a sua utilização voltou à pauta em 2015, em reunião da Câmara criada pelo presidente da Casa na época, Eduardo Cunha. Se aprovado, o projeto de lei vai para plenário no Senado.

Em audiências públicas que ocorreram entre outubro de 2015 e março de 2016, especialistas da fabricação de automóveis e peças, produtores de combustíveis, pesquisadores de saúde, além dos Ministérios do Meio Ambiente e Minas e Energia, Agência Nacional de Petróleo (ANP), Petrobrás e fabricantes de etanol e biodiesel se posicionaram sobre a questão. De maneira geral, estes foram contra o projeto devido aos problemas que ele poderá causar, como doenças respiratórias e cardíacas. Além disso, por sermos um país importador de diesel, o aumento de sua utilização geraria um desequilíbrio na balança do Brasil, gerando altos custos.

O relator, deputado Evandro Romam (PSD-PR), porém, pediu a aprovação da Lei, alegando ser favorável, uma vez que “o consumidor tem que ter a opção de escolher um destes veículos, pois os números são surpreendentes. Se você gasta hoje em torno de R$ 0,40 ou R$ 0,50 no Brasil para rodar com um carro movido a gasolina ou etanol, você gastaria em torno de R$ 0,15 para rodar com um carro a diesel”.

Em contrapartida, para Bruno Covas (PSDB-SP), “O único argumento favorável se limita à escolha do consumidor, quando há repercussões negativas econômicas, energéticas, ambientais”. Além disso, este ressalta que a Europa está discutindo a abolição destes carros, culpando estes pela poluição nas regiões metropolitanas. “E nós vamos receber o lixo tecnológico que vai ser proibido lá?", completa.  

A votação será, provavelmente, nesta terça ou quarta-feira. As informações são do jornal O Estado de São Paulo.

Por Kellen Kunz

Carro a diesel

Foto: Divulgação


Grand Cherokee CRD: novo modelo a dieselA Chrysler está lançando o Grand Cherokee CRD movido a diesel. O modelo está à venda desde janeiro e como a Fiat é a dona da marca Chrysler o carro vem com vários componentes da montadora, como o propulsor Multijet da Fiat com 6 cilindros em V e válvulas com duplo comando.

O Grand Cherokee só está sendo vendido na versão Limited, o top de linha que vem completo. Ele traz de série ar condicionado digital, ABS, nove airbags, EBD e um sistema de frenagem de emergência que é acionado sempre que o condutor tira o pé do acelerador, sistema eletrônico que auxilia nas descidas (HDC), sensor de estacionamento com câmera de ré, faróis e lanternas de neblina, central multimídia com 2 telas (uma de 10 polegadas para os bancos traseiros e outra de 6,5 polegadas no painel central), HD com 30 GB de espaço para guardar músicas e vídeos, Bluetooth, USB, sistema de alto-falantes de qualidade (sendo 9 alto-falantes e um subwoofer), volante multifuncional e muitos outros itens de luxo que o tornam um carro completo. 

Tem 5 lugares com muito conforto e porta-malas de 782 litros, chegando a 1.554 litros com os bancos rebaixados.

O modelo sai pelo preço de R$ 219.900.

Por Mariana Rodrigues


Nesta quarta-feira, dia 19 de dezembro de 2012, Guido Mantega anunciou de forma preliminar o aumento no preço de combustíveis no Brasil para o ano de 2013.

E mais tarde neste mesmo dia ele detalhou este aumento informando que a gasolina irá ter uma alta, principalmente, pela necessidade da Petrobrás de reduzir seus prejuízos e gerar caixa para os investimentos no pré-sal.

Assim, esta será a primeira vez que o aumento da gasolina e do diesel irão chegar ao consumidor que foi poupado em anos anteriores pela que de imposto.

Outra notícia veiculada pelo ministro da fazenda foi a redução de 20% na tarifa de energia elétrica a partir do mês de fevereiro que será mantida pelo governo frente à recusa de diversas empresas de energia em renovar suas concessões.

Por Ana Camila Neves Morais


Você sabe dizer por que razão o diesel é proibido em carros de passeio?

Em muitos países da América Latina, o diesel é usado livremente em carros de passeio, porém, não é o que ocorre no Brasil. Em nosso país, apenas os caminhões ou veículos de carga com peso superior a 1 tonelada, podem utilizar o diesel.

Essa restrição está em lei, e apesar de alguns deputados já terem proposto expurgar essa medida, até então não houve qualquer efeito prático. O fato é que o Brasil é muito dependente do transporte rodoviário e, dessa forma, boa parte do óleo diesel é destinado aos caminhões que cruzam de norte a sul o país.

Tendo em vista que o preço do álcool não para de subir, e praticamente não está compensando o seu uso diante da gasolina, seria até interessante que fosse liberado o uso do diesel. O único estado em que ainda vale a pena o uso do etanol é Mato Grosso. E só! Em 2009, o álcool subiu em média 29% no Brasil.





CONTINUE NAVEGANDO: