Investimento das empresas foi de US$ 150 milhões. Previsão é de que até 2021 sejam lançados os primeiros carros sem volante e pedais.

A montadora Ford, juntamente com o Baidu, que é uma grande empresa de busca famosa na China, fizeram um investimento de US$ 150 milhões numa empresa do vale do silício, chamada Velodyne, a qual produz um dos principais elementos em veículos autônomos. De acordo com a fabricante de veículos, estarão nas ruas no ano de 2021, modelos que não possuem pedais e nem volante.

De acordo com o presidente da montadora, Mark Fields, os próximos dez anos serão conhecidos pelos veículos com direção autônoma e que o impacto destes veículos será muito importante, chegou até a compara-la com a linha de montagem criada pela Ford a 100 anos atrás.

A montadora também diz que em até cinco anos os veículos sem condutores já poderão ser fabricados em grande escala e serão utilizados para o compartilhamento da mesma forma que "robô-táxis".

Raj Nair, diretor técnico da montadora, falou que muito provavelmente a empresa não irá oferecer carros semelhantes, sem pedais e sem volante, para os clientes até o ano de 2025.

Fields também completou dizendo que eles estão se dedicando para levar as ruas os veículos autônomos, que poderão dar uma melhora no quesito segurança, além de solucionar alguns problemas ambientais e sociais para diversos indivíduos e não apenas para os que podem comprar carros luxuosos.

Para que este objetivo seja atingindo, a empresa do logotipo ovalado investe em mapeamento 3D, pesquisa, sensores e radares baseados em laser.

Terça-feira, dia 16, foi anunciado um investimento que pretende acelerar o desenvolvimento de alguns dispositivos e aumentar a utilização em sistemas avançados de assistência. Foi dito também que a montadora irá dobrar o tamanho da equipe que trabalha na pesquisa, em Palo Alto, no Vale do Silício, para cerca de 300 pessoas. O executivo também não quis dizer se a montadora pretende realizar algum tipo de parceria com o Lyft e o Uber, para compartilhar os referidos veículos.

No mês de abril, o Baidu informou que tinha formado uma equipe de veículos autônomos perto de Sunnyvale, na Califórnia, focando na produção dessas tecnologias facilitadoras como robótica, aprendizagem automática e visão computacional.

FILIPE R SILVA


Tecnologia está disponível na Europa mas deve chegar ao Brasil em breve.

A nova geração do Ford Edge vem com uma grande inovação da montadora: o controle inteligente de velocidade. Mas calma, isso ainda está lá pelo mercado europeu. Mas é claro que logo estará certamente pintando por aqui.

Mas o que exatamente é esse novo recurso, você deve estar se perguntando. Esse recurso chegou para ajudar os motoristas a trafegarem em segurança nas vias públicas, obedecendo as condições regulamentadas, evitando ser multado por infrações e é claro, evitando acidentes.

O novo recurso funciona por meio de um sistema de câmeras que conseguem identificar a sinalização de trânsito e também ajustar a velocidade do automóvel, fazendo com que o motorista respeite os limites de velocidade e qualquer outra peculiaridade da rua, avenida ou estrada.

O controle inteligente de velocidade foi introduzido pela primeira vez em 2015, no Galaxy e S-MAX, tendo conquistado muitos simpatizantes, tanto que a opção pelo equipamento aumentou 95% nesses modelos. O modelo reformulado traz duas tecnologias da montadora combinadas: o limitador de velocidade (que é ajustável e que pode ser configurado manualmente) e a tecnologia que reconhece os sinais de trânsito, mostrando no painel do veículo o último limite de velocidade que foi identificado e sinais como conversões ou trechos onde é proibido ultrapassar.

Acionado por controles no volante, esse equipamento pode ser ajustado à velocidade máxima local, de forma manual. Há alguns modelos – os equipados com navegação – que tem a sua precisão aumentada, por conta da utilização de dados de mapas. Os sinais de trânsito são monitorados por meio de uma câmera situada no para-brisa e quando é identificado um limite menor de velocidade, o carro é desacelerado automaticamente. Quando esse limite é aumentado, há a "permissão" para acelerar.

Ainda não há previsão da vinda dessa tecnologia para o Brasil, mas se formos considerar o grande número de acidentes que acontecem diariamente tanto em estradas quanto em vias urbanas, seria uma ótima solução para ajudar a abrandar e diminuir a incidência de excessos no trânsito, seja por descuido ou por irresponsabilidade. A montadora certamente deu um passo importante com relação a buscar um tráfego melhor e garantir mais segurança no trânsito.

Elma de Fátima Morales Jacinto





CONTINUE NAVEGANDO: