Em Berlim, a empresa Mercedes-Benz tem um espaço que segue o mesmo conceito do Citroën, recentemente inaugurado em São Paulo. Este novo espaço fica localizado na Avenida Unter den Linden, que tem grande movimento na capital da Alemanha.

O nome do espaço é Mercedes-Benz Gallery e apresenta um local com exposição de carros, lojas que vendem souvenires, galeria que conta a história da montadora e lugares para comer.

É possível encontrar o primeiro Classe 5 de competição entre os carros que estão em exposição. Há também o famoso SLS GT3, que era de corrida, fora os veículos com a marca da divisão esportiva da Mercedes, que era a AMG.

No segundo andar da galeria estão expostas fotos de esportistas patrocinados pela Mercedes, além de uma galeria com os campeões da Fórmula 1 que foram competidores da equipe McLaren, grupo de Fórmula 1 que utiliza os motores da Mercedes-Benz. Lá também se encontram reproduções de imagens dos personagens que fizeram parte da fundação da empresa, todas em tamanho real.

Uma destas representações é a de Karl Benz, que criou o primeiro carro patenteado do mundo e foi o homem que fundou a marca.

A galeria funciona de segunda-feira a sábado e tem entrada gratuita.

Por Marcelo Araújo

Fonte: Estadão


Algumas instituições públicas brasileiras firmaram convênio com a Alemanha no intuito de desenvolver novas tecnologias para o funcionamento de motores de carros, visando reduzir a poluição.

Carros elétricos estão ficando cada vez mais populares em todo o mundo, e o Brasil e a Alemanha começam a pensar em sua própria tecnologia de locomoção sustentável.

A ideia dos dois países é criar um veículo que funcione com energia gerada a partir de resíduos de esgoto. A primeira frota de veículos montada com o novo tipo de motor deve ser produzida na cidade de Franca, interior do Estado de São Paulo. A ideia é transformar o gás liberado no processo do tratamento de esgoto em combustível, diminuindo o uso de petróleo e a emissão de gás carbônico na atmosfera terrestre.

A iniciativa é da Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp) em parceria com o Instituto Fraunhofer. O investimento previsto para a produção é de cerca de R$ 6 milhões, sendo que R$ 5,1 milhões provém do Ministério do Meio Ambiente alemão. O projeto já existe em algumas cidades do mundo e, segundo a Sabesp, os carros produzidos funcionam normalmente.

Por Mozart Artmann





CONTINUE NAVEGANDO: