A Toyota já deixou claro a intenção de usar o etanol nos seus modelos híbridos brasileiros.

De olho na tendência mundial que cada vez mais busca fontes alternativas para reduzir a emissão de gases poluentes para a atmosfera, a Toyota já partiu na frente e anunciou, mesmo que ainda não oficialmente, o lançamento de um modelo híbrido que poderá rodar nas ruas brasileiras usando o velho etanol.

O anúncio de intenções de se fabricar um modelo que use dois sistemas de fornecimento de combustível foi anunciado pelo próprio presidente da empresa na América Latina, Steve St. Angelo. A declaração feita no último dia 24 mostra a tendência da empresa em apostar cada vez mais neste tipo de veículo.

O sistema híbrido de fornecimento de combustível para os motores que trabalham através do sistema de combustão funcionam com o fornecimento elétrico para que o motor seja acionado.

Segundo a concepção desenvolvida atualmente para este tipo de motor, inclusive o que é adotado pela própria Toyota, ele pode trabalhar sozinho ou poderá também ser acionado e trabalhar em conjunto com o motor de combustão.

Com este sistema, além de contribuir para que a emissão de gases para a atmosfera seja menor, ele contribui também para se reduzir o consumo de combustível tradicional, o que no final das contas, também vai ajudar a reduzir a emissão de poluentes.

Para quem ainda não sabe, a montadora já fabrica atualmente um modelo híbrido e que pode ser visto rodando em algumas capitais brasileiras, é o Prius. O automóvel que já é comercializado nas concessionárias da marca no Brasil pode ir para a garagem de qualquer consumidor com um preço a partir de R$ 120.000,00.

Sem querer dar maiores detalhes, o presidente da Toyota já deixou bem claro que este não deverá ser o único modelo que usará este tipo de sistema de alimentação para o seu funcionamento.

A montadora faz grande mistério sobre o uso deste tipo de tecnologia e deixou no ar a impressão de que novos modelos poderão surgir com o sistema híbrido. Talvez os que já são bastante conhecidos do público brasileiro possam vir a usar este tipo de sistema. Mas, por enquanto, fica somente a dúvida.

A Toyota já deixou claro a intenção de usar o etanol nos seus híbridos brasileiros.

Aproveitando a tecnologia híbrida do Prius e levando em consideração o potencial de mercado para este tipo de carro, a empresa já iniciou os testes no país com utilização não somente da gasolina, mas também do etanol brasileiro.

Nesse sentido, já existe uma intensa movimentação entre os técnicos da empresa para que este tipo de combustível, considerado bem mais limpo, seja adotado pelos novos modelos que deverão ser fabricados no Brasil.

Apostando neste tipo de tecnologia, os fabricantes brasileiros do etanol já iniciaram uma espécie de parceria com a montadora.

O uso do etanol como o combustível principal para os novos modelos híbridos desponta atualmente como uma das mais rápidas soluções que a indústria automobilística vem descobrindo para que as suas metas reduzidas de emissão de poluentes sejam alcançadas.

Além do esforço crescente da Toyota para adotar uma tecnologia ecologicamente correta com o uso do etanol, outras montadoras já pegaram carona nesta tendência.

Neste sentido, a japonesa fabricante dos carros da marca Nissan já anunciou os testes de um protótipo de carro considerado ‘ mais limpo’ com o usado etanol.

O novo modelo utilizaria um sistema de ‘Células de Combustível’ que utilizariam Óxido sólido. Esta recente tecnologia que está sendo desenvolvida para o Brasil se baseia em usar o etanol brasileiro para que ele possa ser capaz de fornecer energia suficiente para que um conjunto de baterias sejam continuamente carregadas e possa fazer funcionar o sistema de combustão do veículo.

Por Liana Gifoni

Toyota Prius


Nova versão do Polo será produzida no Brasil a partir de setembro deste ano.

Assim como se esperava, a Volkswagen no dia 22 de junho, anunciou a produção da última geração do Polo no Brasil. A partir de setembro, o veículo será produzido na cidade de São Bernardo do Campo (SP), tendo previsão de iniciar as vendas em novembro ou dezembro de 2017.

A montadora confirmou também a produção do modelo Virtus, um sedan que utiliza da plataforma do Polo. A montagem de ambos os modelos está no cronograma de investimentos da marca no mercado nacional, que até 2020 pretende injetar R$ 7 bilhões.

A planta localizada na região metropolitana de São Paulo foi bem modernizada, agora conta com equipamentos e robôs de última geração. O espaço na linha de produção, deixado pelo Jetta deve ser preenchido, atualmente o modelo é trazido do México.

Na semana passada o modelo foi apresentado mundialmente e agora o Polo terá uma versão compacta da MQB, usada em vários modelos da VW. A partir desta também serão produzidos o Virtus, que será um sedan situado entre o Voyage e Jetta, e mais dois veículos, provavelmente uma picape intermediaria e um utilitário esportivo com base no T-Cross.

Em relação ao antecessor (lembrando que a quinta geração não foi comercializada por aqui), o Polo é maior tendo um comprimento de 4,05 m, sendo 7 cm maior, de largura tem 1,75 m também 7 cm maior, 1,44 m de altura e 2,56 cm de distância entre-eixos.

O desenho foi inspirado nos lançamentos recentes da montadora, como o Arteon, dando a impressão da grade dianteira emular uma extensão do capô. Na parte interna, se destaca o painel digital parecido com o utilizado nos modelos da Audi, o qual será oferecido também no Polo brasileiro.

O Polo, na Europa contará com propulsores a gasolina e a diesel, tendo versão com 1.0 TSI de 120 cv, 2.0 TSI com 200 cv e 1.5 TSI com 150 cv. Enquanto por aqui, os propulsores serão 1.0 MPI com 82 cv, o 1.0 TSI com 125 cv, o 1.6 MSI com 120 cv e o 1.4 TSI com 150 cv.

Por Filipe Silva

Volkswagen Polo


Pesquisa servirá para identificar principais problemas e os principais locais que precisam de melhorias.

Para o coordenador-geral de Planejamento e Programação de Investimentos, André Nunes, uma das funções do Plano Nacional de Contagem de Tráfego é “oferecer à sociedade condições ótimas de trafegabilidade, em consonância com os princípios de otimização dos recursos públicos”.

Significa dizer que, além de garantir a qualidade do serviço, é dever do Estado fazer com que os recursos públicos sejam bem direcionados.

Essa seria a principal razão da criação da Campanha de Pesquisa de Origem e Destino, projeto vinculado ao Plano Nacional de Contagem de Tráfego, que busca fazer uma análise socioeconômica das rodovias federais (especificamente as que estão sob o controle do DNIT, Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte), do ponto de vista da sua demanda, tipos de veículos, necessidades de sinalização, horário de pico desse tráfego de veículos e tudo o mais que possa gerar um mapa que revele as condições das rodovias federais brasileiras e onde exatamente deverão ser injetados os recursos públicos liberados pelo Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil.

Durante a campanha, realizada entre os dias 2 e 8 de julho de 2016, soldados das forças armadas se incumbiram de abordar os passageiros de veículos, em postos especificamente instalados para esse fim, com questões sobre o seu destino, origem, impressões sobre as rodovias e tipos de cargas transportadas (quando era o caso), a fim de criar um mapa com as rodovias federais preferidas e que, por isso, deverão ter atenção especial.

Foram cerca de 3.549.768 veículos abordados, 210.984 motoristas entrevistados nos estados do Mato Grosso do Sul, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná e Minas Gerais.

A previsão é que essa coleta de dados sobre o tráfego de veículos nas rodovias federais se estenda até 2017 em quase 300 postos oficiais; realizada por soldados munidos de modernos equipamentos (tablets, Ipads, aplicativos, etc) para o adequado registro de dados.

Com esse registro do volume do tráfego de veículos em algumas rodovias federais, bem como informações socioeconômicas e de hábitos dos condutores, a expectativa é que, segundo especialistas, possam ser melhor avaliadas as necessidades de aperfeiçoamento viário, inclusive no que se refere a transportes coletivos em regiões marginais.

Dados da CNT (Confederação Nacional do Transporte), após análise de mais de 100 mil km de rodovias federais e estaduais, apontaram a inferioridade das rodovias administradas pela união e pelos estados em relação às administradas por concessionárias, que demonstraram superioridade em relação à sinalização, pavimentação asfáltica, engenharia viária, entre outros.

O que significa dizer que, apesar de o Brasil ter uma das quatro mais extensas malhas rodoviárias do planeta, possui apenas 13% de estradas com pavimento asfáltico, o que mostra a urgência em investimentos por onde passam boa parte da riqueza do país.

Vivaldo Pereira da Silva


JAC reafirmou que lançará o modelo compacto T5 no Brasil.

Faz cerca de um ano que conhecemos o T6 que chegava ao mercado com linhas claramente inspiradas no Hyundai ix 35. Pois bem, agora é hora de outra novidade: a JAC já havia dados sinais, porém, recentemente a fabricante tornou a reafirmar que está mesmo planejando lançar por aqui o compacto T5. Esse fato acaba contribuindo para fechar ainda mais o círculo chinês que vem crescendo cada vez mais no mercado de SUVs.

Sobre o carro em si, suas linhas lembram bastante (até porque são parecidas) com a do Ford Ecosport que, por sinal, é um dos principais concorrentes. De qualquer forma a informação é de que a estreia chegará em três versões. Todas elas serão equipadas com um motor 1.5 de 16v, os modelos contarão ainda com câmbio manual de seis marchas. Um detalhe que chama a atenção nesse ponto é que serão diferenciadas devido a presença do pacote de equipamentos, os quais, usando os termos da JAC são chamados de Packs.

Como sempre tem um porém, a JAC não quis ficar de fora disso. Um dos motivos é o fato de que o primeiro lote composto por 500 unidades será restrito e infelizmente a versão mais cara do modelo.

De acordo com as informações divulgadas pela companhia até o presente momento a expectativa é de que o T5 Pack 1 e 2 deverão chegar por aqui em dois meses no mais tardar.

A produção do modelo irá acontecer na já famosa fábrica de Camaçari, estado da Bahia. A produção somente deverá começar lá pelo primeiro trimestre do ano de 2017. Já as unidades que acabarem a sair da linha de montagem estão com previsão de serem homologados até o final deste ano.

A JAC, por sua vez, está bastante otimista sobre o modelo. A fabricante chegou a afirmar que espera efetivamente que o T5 chegue a representar a metade da cota mensal de importação. Essa por sua vez gira em torno das 400 unidades.

Saiba mais:

A versão automatizada que conta com CVT continuará sendo mantida na linha, pelo menos até o mês de agosto. Já com relação aos preços há uma ligeira alteração sendo que os valores vão de R$59,9 mil podendo chegar até R$69,9 mil. Pode parecer uma má ideia, mas anteriormente a expectativa era de que os valores ficassem entre R$59 mil e R$72 mil.

Por Denisson Soares

JAC T5

JAC T5

Fotos: Divulgação


Foram fabricados 184 mil veículos em junho, registrando uma queda de 14,8% se comparado a junho de 2014.

A crise financeira vem afetando as mais diversas áreas da produção econômica brasileira e a área automobilística não iria ficar de fora. No dia 6 de julho a  Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) divulgou os dados de  toda a produção automobilística nacional do mês de junho. Os números divulgados pela entidade revelam que foram fabricados 184 mil veículos no mês, o que revela uma queda de 14,8% se o número for comparado com o mês de junho do ano de 2014 e uma queda de 12,5% se o número for comparado com maio do ano atual.

Se for levado em consideração o percentual acumulado do ano de 2015, a diminuição na produção chega a 18,5%.

Até o momento foram fabricados cerca de 1,277 milhão de veículos no país.  Se forem comparados setores isolados do mercado, a produção de automóveis e veículos leves caiu cerca de 18%, a de caminhões caiu  45,2% e a de máquinas agrícolas e rodoviárias 24,4%. As maiores quedas foram registradas nos veículos de serviços. O que nos faz perceber que o brasileiro mesmo em crise ainda continua comprando os veículos de passeio, mesmo com a economia em uma fase não tão satisfatória. Segundo o presidente da Anfavea, Luiz Moan esse panorama de queda na produção foi determinante para a diminuição da quantidade de funcionários da indústria automobilística.

Durante o primeiro semestre deste ano, foram perdidos cerca de 9,6% dos postos de trabalho, quando comparado com os números registrados no mesmo mês do ano passado.  

Só no mês de junho, a empresa automobilística do país cortou cerca de 1.271 postos de trabalho, como consequência dos ajustes na produção e pela baixa demanda de mercado, o que fez  com que o setor fechasse o sexto mês do ano com cerca de 136.929 empregados, número 0,9% menor do que o mês de maio.

Por Patrícia Generoso

Produção de veículos

Foto: Divulgação


Desenvolvido sob o comando da Ford Brasil e com a plataforma do New Fiesta, a nova geração do Ka estará disponível nas concessionárias da marca apenas na segundo quinzena de setembro, mas a fabricante estadunidense já divulgou os itens e preços de seu novo compacto.

O novo Ford Ka estreará no mercado brasileiro, a princípio, apenas com o motor três cilindros 1.0, em três versões de acabamento: SE, SE Plus e SEL. A intenção da Ford é fazer com que a nova geração do Ka se torne o líder de vendas entre os 1.0 e para isso, a marca apostou em design, modernidade e tecnologia.

Entre as principais tecnologias do novo Ka está o sistema de som com My Ford Dock, que conta com um local para acoplar o smartphone como uma espécie de sistema multimídia, sistema Sync com AppLink, que permite a utilização de aplicativos do celular sem a necessidade de tocar no aparelho, mas principalmente, o controle eletrônico de estabilidade, sendo o primeiro carro com motor 1.0 do Brasil a dispor desta tecnologia.

Desde a versão de entrada SE, oferecida por R$ 35.390, o carro traz freios ABS com EBD e CBC (controle de frenagem em curvas), airbag duplo, direção elétrica, ar condicionado, vidros dianteiros e travas elétricas, chave do tipo canivete, abertura elétrica do porta-malas, ajuste de altura da coluna de direção, sistema de som com entrada USB, Bluetooth e My Ford Dock, maçanetas e retrovisores na cor da carroceria, indicador de trocas de marcha, rodas de 14 polegadas com calotas, entre outros.

Na configuração SE Plus, disponível a partir dos R$ 37.390, o modelo conta com todos os itens da versão anterior acrescido de vidros dianteiros e traseiros com acionamento elétrico e sistema Sync Media System com AppLink, leitor de CD e MP3, entrada USB, conexão Bluetooth, controles de áudio e telefone integrados ao volante e comando de voz em português.

A versão topo de linha SEL, com preços a partir de R$ 39.990, vem com os itens apresentados anteriormente mais o controle eletrônico de estabilidade e tração, assistente de partidas em aclives, faróis de neblina, computador de bordo, ajuste de altura do banco do motorista, alarme volumétrico, acabamento “SEL” que traz apliques em cromo na grade dianteira e lanternas traseiras escurecidas, além das rodas de liga leve de 15 polegadas.

Opcionalmente a Ford oferece câmera de segurança para manobras em marcha ré, bancos com revestimento em couro e sistema de entretenimento com tela touchscreen.

Mecanicamente, a nova geração traz o novo motor três cilindros aspirado 1.0 Fox TiVCT 12V Flex com sistema Easy Start que dispensa o uso de tanquinho, capaz de entregar até 85 cv e torque de 10,7 kgfm quando abastecido com etanol.

Por Caio Polo

Novo Ford Ka

Foto: Divulgação


Comercializado no Brasil desde setembro de 2000, o novo Chevrolet Celta 2015 já consta no site oficial da montadora. Apesar de não ter sido apresentado oficialmente, o veterano hatchback da marca da "gravata" em sua linha 2015 é oferecido apenas na versão LT com carroceria quatro portas, com pouquíssimas novidades estéticas, com preço a partir dos R$ 32.490

Sem trazer nenhuma novidade no visual, a linha 2015 do Celta teve apenas alguns equipamentos adicionados em sua lista de itens de série, além da nova cor Cinza Mond. Entre os equipamentos que o hatchback conta estão os freios ABS e o airbag duplo, que atende a legislação vigente no Brasil, direção hidráulica, sistema de ar condicionado, vidros com acionamento elétrico com comando "One Touch", antiesmagamento e fechamento/abertura automático pela chave, alerta sonoro de faróis ligados, desembaçador, limpador e lavador elétrico do vidro traseiro, cintos de segurança dianteiro com pré-tensionadores e ajuste de altura, cinto de segurança dos bancos traseiros laterais de três pontos, barras de proteção nas portas, sistema de imobilização do motor, sistema central de travas elétricas, travamento automático das portas ao alcançar 15 km/h, "Keyless Entry System" (sistema de trava central das portas via rádiofrequência), alarme antifurto relógio digital, brake light, entre outros itens.

Mecanicamente não houve alterações, portanto, a linha 2015 do Celta mantém o já conhecido motor 1.0 8V VHC-E Flex, capaz de entregar 77 cv e torque de 9,5 kgfm com gasolina ou 78 cv e torque de 9,6 kgfm, quando abastecido com etanol. Trabalhando em conjunto com o bloco 1.0 está o mesmo câmbio manual de cinco marchas. 

A Chevrolet oferece o Celta 2015 em seis opções de cores, já contando a nova opção de cor Cinza Mond, podendo ser adquirido com a carroceria pintada nas cores Preto, Prata Switchblade, Azul Sky, Vermelho Pepper e Branco Summit. A marca norte-americana ainda comercializa no Brasil a série especial Advantage, mas apenas como linha 2014, com preço sugerido a partir de R$ 33.390. 

Por Caio Polo

Celta 2015

Foto: Divulgação


Novo GolfThomas Schmall além de presidente também é o CEO da Volkswagen do Brasil. No dia 3 de outubro, Schmall anunciou que a montadora estará investindo R$ 520 milhões em um projeto recente da empresa: a produção nacional do modelo Golf. De acordo com as primeiras previsões o modelo deverá fazer sua estreia no mercado nacional a cerca de dois anos.

A unidade escolhida para ser a responsável pela fabricação do Golf foi a de São José dos Pinhais, situada no Estado do Paraná.

A informação foi divulgada na imprensa em geral logo após uma reunião entre Schmall e a presidente do Brasil Dilma Rousseff, ocorrida no Palácio do Planalto, em Brasília.

O investimento ao que parece é parte dos novos rumos e projetos que serão adotados e incrementados pela Volkswagen no mercado mundial. De acordo com as próprias palavras de Thomas Schmall a ideia de fazer o Golf no Brasil com investimento de R$ 520 milhões faz parte do projeto da Volkswagen de realizar uma relativa mudança no portfólio – por inteiro – em relação às plataformas globais e isso vai começar pelo Golf. Ele ressalta que “É importante porque vai começar a crescer a fase da Volkswagen no Brasil, que significa globalização da tecnologia”.

De acordo com as informações divulgadas até o momento o modelo fabricado no Brasil será um flex e deverá ser comercializado nas versões 1.4, 1.6 e 2.0. Ainda segundo o CEO a empresa apostou na tecnologia flex no Brasil e pretende continuar.

Por Denisson Soares


Fiat Strada 2014A marca Fiat oficializou neste dia 13, sexta-feira, a introdução da linha do ano de 2014 da Strada no mercado brasileiro. O modelo começará a ser vendido na 2ª quinzena do mês de outubro com uma novidade: uma opção de 3 portas na carroceria, além da tradicional cabine dupla.

Fora a alteração estrutural, o design do veículo irá passar por reestilização leve, com ênfase no sistema óptico da traseira, pois o conjunto de lanternas irá ter seu formato atualizado e deixará de tomar o espaço da tampa que cobre a caçamba. Na parte da frente não haverá nenhuma inovação. A empresa ainda não revelou imagens ou informou que fará mudanças internamente no carro.

Por hora, o Fiat Strada é comercializado em três opções: Adventure, Teekking e Working. As motorizações são 1.8 (também com E-torq/132 cv), 1.6 (E-torq/117 cavalos de potência com etanol) e 1.4 (Fire 8V/86 cavalos de potência – etanol). A carroceria oferece também três versões – dupla, estendida e simples, mas o câmbio é sempre do tipo manual com 5 marchas.

A empresa escolheu apresentar apenas duas fotos, pois está participando de uma convenção em Viena e lá apresentará a nova Strada 2014 três portas.

Por Marcelo Araújo


Audi R8 V10 Plus A Audi está lançando no Brasil até o final desse mês o seu modelo super esportivo, o Audi R8 Coupé V10 Plus. Ele chega com algumas mudanças no visual e na parte mecânica.

O carro vem com motor V10 5.2 TFSI com capacidade para gerar 550 cavalos de potência. Combinado com o novo câmbio S tronic com sete velocidades e dupla embreagem, faz com que o carro faça de 0 a 100 km/h em 3,5 segundos, atingindo a velocidade máxima de 317 km/h. O motorista tem a opção de trocar as marchas na alavanca de câmbio ou no sistema de borboletas situado no volante.

O V10 Plus teve melhorias na sua aerodinâmica e ficou bem mais leve graças à nova carroceria que traz algumas partes em fibra de carbono. Teve também algumas alterações como nas rodas de liga leve de 19 polegadas que ganharam um novo desenho exclusivo; a capa do espelho retrovisor e soleiras das portas são feitas em fibra de carbono; luz no compartimento do motor e frisos decorativos.

Outra novidade do V10 Plus são os seus faróis em LED com um recurso que em uma curva ele acompanha o trajeto do carro.

Na parte interna ele conta com bancos dianteiros esportivos e confortáveis, revestidos em couro com ajuste elétrico e aquecimento. A cabine é toda revestida em fibra de carbono e seu teto é revestido com couro Alcântara.

O Audi V10 Plus é um carro para poucos, e chegará com o preço de R$ 800.000.

Por Mariana da Silva


Chevrolet Tracker no BrasilUm sonho de ao menos uma década da montadora Chevrolet pode se realizar em breve.

A Chevrolet anunciou no intervalo comercial do Fantástico (TV Globo) que vai lançar o modelo Tracker no Brasil. Segundo o presidente da empresa na América do Sul, Jaime Ardila, o Chevrolet Tracker será apresentado no mês de agosto e começará a ser comercializado no mês de setembro deste ano.  

O Tracker, que tem o nome de Trax fora do Brasil, é um modelo utilitário esportivo compacto e briga na concorrência com o EcoSport, da Ford. Então, aí está a importância do modelo já que a Chevrolet do Brasil já pensava em colocar um modelo nesse segmento há muito tempo.  

O modelo da Chevrolet será importado diretamente do México, mas ainda não foi revelada a quantidade que será trazida ao Brasil.  

O Tracker deve vir equipado com motor Ecotec de 1.8 litros com 140 cavalos de potência, transmissões manual de cinco marchas e automática com seis velocidades. O modelo vem também com o sistema MyLink, que tem recursos multimídia.  

O lançamento do Chevrolet Tracker já foi estipulado pela companhia nos últimos meses desse ano. Uma imagem de divulgação chegou a ser vazada na internet, algum tempo depois, no Salão de Detroit, um pôster (banner) apareceu no estande da Chevrolet, assim confirmando que teríamos o Tracker no Brasil. No entanto, a montadora negou a comercialização do modelo em terras tupiniquins por conta das limitações em importar o automóvel para cá.  

O Tracker deriva do Sonic e tem um nível de parentesco com os novos compactos da Chevrolet comercializados no Brasil. Seriam exemplos o Onix, Cobalt, Spin e Prisma.

Por André Barbosa


Um crescente mercado automobilístico brasileiro também oferece excelentes oportunidades para os fornecedores automotivos e para os veículos utilitários.

Segundo especialistas, ao longo dos últimos dez anos, os fornecedores têm sido capazes de impulsionar suas vendas cada vez mais. Os “experts” na área de automobilismo esperam ver as receitas financeiras crescerem chegando a um adicional de cerca de 10 mil milhões de euros até o ano de 2020.

Esta tendência não é única, a crescente demanda, com plataformas de veículos modernos exigem novas tecnologias, e estas geram novas vendas e consequentemente muito mais lucro.

Estas previsões positivas são semelhantes para as montadoras no segmento de veículos utilitários. De acordo com os especialistas em veículos, é muito provável que este mercado brasileiro tenha um crescimento anual sustentado em cerca de 8% até o ano de 2020.

Não obstante o cenário positivo, o mercado automotivo do Brasil tem muito espaço para melhorias no lado da produção. Os custos de produção elevados e os custos de financiamento de até 20% representam um grande obstáculo para os utilitários.

A comparação internacional mostra que o Brasil ainda não é competitivo. Altos salários, baixa produtividade e falta de automação elevaram os custos de produção. No entanto, houve investimento na melhoria da eficiência e automação e os fabricantes brasileiros poderão em breve concorrer com as montadoras internacionais.

Por Salete Dias


Em 2013 irá acontecer mais uma edição da Lancer Cup organizada pela Mitsubishi.

Este evento esportivo irá acontecer entre os meses de março e outubro de 2013 em um total de seis etapas que serão disputadas no autódromo Velo Città localizado na cidade de Mogi Guaçú no estado de São Paulo.

Em todas as fases da competição será utilizado o carro Lancer Evolution R que possui um motor turbo 2.0 com capacidade de fazer até 306 cavalos de potência além de rodas de 18 polegadas e pneus do tipo slick próprios para competições esportivas.

Por Ana Camila Neves Morais


A Toyota apresentou, durante o Salão do Automóvel de Los Angeles, o lançamento da nova geração do RAV4.

O utilitário da Toyota vem com um design mais moderno com novos desenhos na lateral e traseira, retirada do estepe pendurado na parte de trás do veículo e novas lanternas horizontais.

Em seu aspecto mecânico o RAV4 não foram informados os tipos de motores, mas é esperado duas versões com alterações dos motores V6 e quatro cilindros; além desse motor, o automóvel conta com câmbio automático de seis marchas.

Fonte: Autoweek.com

 

A mais recente versão deste veículo vem com maior espaço interno, bancos revestidos em couro, diversos porta-objeto, painel de instrumentos em azul, sistema de entretenimento e outros.

O Toyota RAV4 estará disponível para venda nos Estados Unidos em 2013 e deve chegar no Brasil apenas no final do próximo ano ou início de 2014.

Por Ana Camila Neves Morais


Uma iniciativa diferente será realizada pela montadora Iveco para buscar seu crescimento no mercado de veículos semipesados: evento itinerante.

Exatamente! A Iveco irá realizar a divulgação de seu novo caminhão Tector por meio do “Tech Drive Tector”.

Este evento tem por objetivo fortalecer a imagem do caminhão da Iveco junto aos caminhoneiros autônomos e de motoristas integrantes de frotas.

Para alcançar este objetivo, o “Tech Drive Tector” estará passando pelas cidades de Guarulhos, Uberlândia, Campo Grande, São José dos Pinhais, Montes Claros, Campinas, Araporã e Cubatão nos estados do Paraná, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e São Paulo.

Fonte: Blogdocaminhoneiro.com

Durante o evento serão realizados test-drives dos interessados no Tector, cadastro dos interessados em adquirir o modelo além da gravação de um vídeo com no máximo 30 segundos de duração falando sobre a sua experiência em dirigir o caminhão; sendo que todos os vídeos feitos serão postados na página do Facebook da Iveco e o caminhoneiro com o post mais curtido irá ganhar uma viagem com tudo pago pela concessionária.

O evento itinerante irá acontecer durante 33 dias entre os meses de dezembro, janeiro e fevereiro com a previsão de aproximadamente 3.000 test-drives no Tector pelos caminhoneiros do país.

Por Ana Camila Neves Morais


Nesta quarta-feira, dia 19 de dezembro de 2012, Guido Mantega anunciou de forma preliminar o aumento no preço de combustíveis no Brasil para o ano de 2013.

E mais tarde neste mesmo dia ele detalhou este aumento informando que a gasolina irá ter uma alta, principalmente, pela necessidade da Petrobrás de reduzir seus prejuízos e gerar caixa para os investimentos no pré-sal.

Assim, esta será a primeira vez que o aumento da gasolina e do diesel irão chegar ao consumidor que foi poupado em anos anteriores pela que de imposto.

Outra notícia veiculada pelo ministro da fazenda foi a redução de 20% na tarifa de energia elétrica a partir do mês de fevereiro que será mantida pelo governo frente à recusa de diversas empresas de energia em renovar suas concessões.

Por Ana Camila Neves Morais


A consultoria JATO Dynamics divulgou nesta semana dados importantes sobre o mercado automotivo mundial.

Segundo a pesquisa feita no mês de outubro de 2012 o Brasil recuperou o posto de o4º maior mercado de automóveis do mundo com 356.267 unidades comercializadas durante o período analisado e um total acumulado no ano de 2.993.878 carros vendidos.

De acordo com os analistas este aumento no volume de vendas se deve principalmente a uma corrida dos consumidores para aproveitar a redução do IPI como data de finalização em dezembro de 2012.

O primeiro lugar neste ranking continua com a China com 13.068.342 veículos vendidos.

Por Ana Camila Neves Morais


O setor de caminhões começa a viver uma retomada no crescimento das vendas após uma queda no comércio de 20% em agosto.

Agora, o aumento nas vendas está gerando um problema nesta área, pois as concessionárias não estão conseguindo acompanhar a intensidade dos novos pedidos.

Com isso estão ocorrendo falta de peças, produtos e os prazos para entrega estão se tornando mais largos já que as fábricas reduziram as produções de caminhões e seus acessórios pela retração que ocorreu no primeiro semestre de 2012.

A diminuição de produção recebeu incentivos do governo federal como programa de compras públicas e juros negativos e com isso houve um boom de compras no setor.

Devido a esta situação, as concessionárias de caminhões já possuem vendas fechadas para o primeiro trimestre de 2013 com alguns modelos disponíveis apenas para o mês de abril.

Para sanar este problema e atender à demanda de vendas, diversas montadoras – como a Scania – estão recontratando funcionários e interrompendo as paradas de produção realizadas anteriormente além de oferecer horas extras e convocar os trabalhadores em férias coletivas.

Por Ana Camila Neves Morais

 


Mais um carro esportivo já está disponível nas concessionárias de todo país, pois o J3 Sport da montadora JAC – que foi apresentado durante o Salão do Automóvel de São Paulo – já está sendo oferecido no comércio de veículos.

Este veículo possui um motor flex 1.5 litros, movido a gasolina e etanol com potências de até 127 cavalos e um torque máximo de 15,7 kgfm.

No seu aspecto estético, o J3 Sport vem com rodas de liga leve, adesivos nas laterais do veículo, faróis escurecidos e outros.

Todas estas possibilidades e inovações do J3 Sport pode ser obtida por preços iniciais de R$39.900,00.

Por Ana Camila Neves Morais


A Subaru mantêm os seus lançamentos constantes e a novidade do momento é a divulgação pela montadora de que está em fase de preparação da vesão STi do seu modelo BRZ.

O aspecto estético deste veículo já foi apresentado em um protótipo durante o salão do Automóvel de Los Angeles que aconteceu em novembro de 2011.

As novidades que estarão inseridas no novo BRZ STi são interessantes como um motor com potência de 230 cavalos (sua versão normal chega a apenas 197 cavalos) além de bancos em forma de concha, aerofólio traseiro em tamanho maior, rodas de liga leve com 18 polegadas, dentre outros.

O novo carro da Subaru está em desenvolvimento e deve ser apresentado ao mercado automotivo mundial apenas no início do ano de 2015.

Por Ana Camila Neves Morais


Para encher os olhos dos menos providos de condições financeiras e para rechear a garagem dos milionários brasileiros. É assim que muitos podem ver a inauguração da loja da Rolls-Royce no Brasil na última semana.

Essa é a primeira loja oficial da marca em toda a América Latina. Sondando o terreno, a marca inglesa oferece nesse momento, no sistema de pronta-entrega, somente o Ghost, que é vendido por R$ 2,3 milhões. Até o final deste ano, outro modelo da marca deve chegar ao mercado brasileiro: o Goodwood, que vem mais caro e recebe mais equipamentos.

No Brasil, esse é um dos carros mais caros já comercializados, ficando atrás do Lamborghini Aventador, que custa R$ 2,9 milhões e equiparado às famosas Ferraris FF, que custam R$ 2,8 milhões.

O Ghost já deve chegar às garagens de dois compradores e para o próximo ano a expectativa é de que até 12 unidades do carro sejam vendidas no país.

O Rolls-Royce Ghost vem com motor de 6.6 litros V12 biturbo e câmbio automático com oito marchas.

Quem acha que o valor de R$ 2,3 milhões por uma unidade é muito alto, pode se surpreender ainda mais. A marca oferece 40 mil formas de customizar o modelo, o que pode variar em revestimentos, cores, opcionais e kits como porta-joias e materiais para piquenique.

Por Flaviane Oliveira


Há pouco tempo, a Audi brasileira apresentou a nova versão do seu hatch, o A1 Sport. A apresentação do novo veículo foi feita pelo presidente da empresa no Brasil, Leandro Radomile.

O presidente se referiu ao carro como a joia da coroa, ou seja, um dos melhores já lançados. Essa referência foi feita para o novo motor do automóvel que agora é um 1.4 TFSI que veio com mais potência, chegando a 185 CV, e com torque de até 25 kgfm. Mesmo com esse poder todo, o carro pesa apenas 1.265 kg.

Ao contrário da versão antiga do A1, que possui um motor com turbocompressor, a nova versão chamada de Sport vem com duas fontes de sobrealimentação. Além disso, o novo motor também conta com injeção de gasolina diretamente na câmara de combustão e também um novo intercooler, para resfriar o ar.

Outra mudança evidente é o novo visual esportivo, com rodas que possuem aros 17” mais elaborados, além de um para-choque que possui o design original com entradas de ar na frente e moldura cinza na parte de trás.

Assim como os demais Audis, o A1 também custa um valor elevado. O carro sai pelo preço inicial de R$ 109.900, chegando até o valor de R$ 130 mil.

Por Guilherme Marcon


Há pouco tempo, a Ford anunciou que lançará a nova versão do seu hatch médio, o Ford Focus. Por coincidência, é justamente no período em que o carro ultrapassa o Hyundai i30 na liderança do mercado.

Desde junho, o Focus começou a crescer nas vendas até atingir a marca de 24% no mercado. Este crescimento acabou contrastando com a queda de vendas do segmento no primeiro semestre de 2012.

Enquanto isso, a nova linha 2013 do automóvel da Ford vem com carrocerias tanto hatch quanto sedã, sem mudanças estruturais, pois foi feita apenas a atualização do certificado do ano-modelo do veículo. Isso, porque a sua terceira geração chegará ao Brasil muito em breve.

A apresentação da terceira geração deverá ser feita durante o Salão do Automóvel em São Paulo, que acontecerá em outubro deste ano.

O modelo atual, que teve apenas a certificação renovada, possui quatro modelos de motor, sendo que as versões 1.6 são Flex GL e Flex GLX, e as versões 2.0 são Flex GLX e Titanium. O carro vem equipado com ar condicionado, vidros elétricos na parte da frente, airbag duplo, luz de neblina na parte de trás, alarme de segurança e travas elétricas.

A terceira geração ainda não teve suas especificações divulgadas, porém já foi flagrada em transporte no Estado de São Paulo.

Por Guilherme Marcon


Com o lançamento previsto para setembro de 2012, o Etios, da Toyota, será produzido em Sorocaba, na versão hatch 1.3 e sedã 1.5, e virá de fábrica com: airbags frontais, ABS com distribuidor de frenagem, MP3, ar condicionado e travas e vidros elétricos.

Sobre a versão hatch, o carro chegará às lojas com 3,77 m de comprimento e 2,46 m entre os eixos, suficientes para 4 pessoas sentarem-se sem bater a cabeça no teto ou os joelhos no banco da frente. Na versão sedã, as medidas sobem para 4,26 m e 2,55 m.

Sobre o porta-malas, a capacidade do hatch é de 263 litros, enquanto que a do sedã é de 595 litros.

Segundo o repórter da Quatro Rodas Fernando Valeika de Barros, os pontos negativos do Etios giram em torno da falta de refinamento do acabamento: tecidos simples nos bancos, forrações de porta e painel de plástico rígido e fragilidade da tampinha da porta USB.

Os pontos fortes são: o isolamento acústico, a precisão e maciez do câmbio manual de 5 marchas e a bem calibrada direção elétrica, fazendo com quem o Etios tenha um comportamento firme nas curvas.

Estrategicamente, a potência e os valores do veículo não foram divulgados pela empresa, para que os concorrentes no Brasil não façam alterações a fim de se aproximarem dos do Etios. Mas, entre os hatches, a Toyota pretende roubar mercado do Gol, do March e do Palio. Entre os sedãs, do Logan, do Grand Siena, do Voyage, do Versa e do Cobalt.

Por Christiane Suplicy Curioni


A maioria dos brasileiros que comprou um Hyundai Veloster se decepcionou pelo fato de os 126 CV do motor serem pouco para puxar o carro, que não tem injeção direta de combustível. Porém, parece que a decepção está para chegar ao fim.

Apesar de não haver confirmação da chegada do novo modelo ao Brasil, a Hyundai lançou uma versão Turbo do seu Veloster. O novo carro vem com motor 1.6 aspirado, com uma turbina que faz atingir o patamar de 204 CV de potência, além do torque chegar a 26,9 mkgf, isso entre 1750 rpm e 4500 rpm.

Acredita-se que o desempenho do novo modelo seja esportivo  comparado ao nível de Mini Cooper S, acelerando de 0 a 100 km/h em 7 segundos, além de chegar à velocidade máxima de 230 km/h. O câmbio vem em duas versões, ambas com 6 marchas, porém uma manual e a outra automática. O consumo de combustível é algo em torno de 11 km por litro na cidade.

Os freios foram alterados ganhando discos na parte traseira junto da melhoria da direção eletro-hidráulica. A diferença estética do novo modelo está na grade dianteira e nos para-choques, além dos faróis redondos e das rodas exclusivas. Por fim, há o acréscimo da palavra “Turbo” em vermelho junto ao logotipo.

A expectativa é que o novo modelo Hyundai Veloster Turbo chegue ao Brasil em 2013, mas seu preço deve ser bem salgado, na casa do R$ 100 mil

Por Guilherme Marcon


A Hyundai lançou seu primeiro carro popular disponível no Brasil, que será batizado como HB20. Segundo informações da fabricante, o novo carro foi inspirado no "futuro i20” que será lançado somente na Europa.

A boa notícia, é que o HB20 foi projetado diretamente para os consumidores brasileiros, deste modo, ele possui, por exemplo, uma alta resistência, devido ao aspecto das estradas brasileiras.

Alguns dos equipamentos do carro já foram anunciados, como freios ABS, airbag duplo, computador de bordo, abertura interna do porta-malas, porta-revistas nas costas dos bancos da frente, dois apoios de cabeça reguláveis nos bancos de trás, ar condicionado, ajuste elétrico dos retrovisores externos (com repetidores de seta), entrada para USB e iPod, vidros elétricos (inclusive os traseiros), sensor de estacionamento traseiro, faróis de milha, direção hidráulica com volante revestido em couro e com controle de som,  e câmbio automático de quatro marchas. O carro ainda será oferecido com motor 1.0 e 1.6 flex, este último com opção de câmbio automático.

Uma das novidades que já foi apresentada, é que o volante possui ajuste de altura e profundidade, vantagem em relação aos concorrentes. E esse veículo difere dos demais da marca, com o display do rádio na cor verde.

Os valores do veículo ainda não foram divulgados pela fabricante.

Por Camila Caetano


Se você é um cliente potencial da Audi, já deve saber que o novo A5 Sportback foi lançado no mercado automotivo brasileiro.

Trata-se de uma reestilização do modelo que ganhou renovação e aspectos ainda mais modernos, garantindo uma maior estabilidade e segurança na condução do veículo.

Segundo as informações divulgadas, no Brasil é possível encontrar 2 versões para a comercialização, a Ambiente e a Ambition, partindo do valor de R$ 163,9 mil e R$ 197,7 mil, respectivamente.

Dessa forma, as diferenças se encontram principalmente na capacidade do motor 2.0 l TFSI, que em uma versão é capaz de gerar até 180 cv de potência e torque máximo de 32,6 kgfm, e na outra versão pode render até 211 cv e 35,7 kgfm. Além disso, a velocidade máxima a ser atingida é de 222 km/h em uma versão e de 241 km/h na outra.

Externamente, o novo A5 Sportback apresentou mudanças significativas no visual, tendo rodas, para-choque e faróis redesenhados, além de nova iluminação para os mesmos. Internamente, as alterações realizadas consistem em novo volante e novos materiais, resultando em um melhor acabamento e aspecto mais esportivo, como o próprio nome já diz.

Por Anne A. Matioli Dias


Acabou de chegar ao Brasil o novo Audi A5 Coupé, agora na versão Ambition, com um motor mais potente, com 2.0  litros e ainda turbo, podendo chegar a 211 cavalos de potência, variando de 4.300 a 6.000 rpm, sendo possível atingir uma velocidade de até 245 km/h.

Para aqueles que gostam de emoção, a novidade é que se consegue acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 6,5 segundos. O automóvel também possui um sistema que permite variar a abertura e fechamento das válvulas do motor, o que acarreta na alteração em baixas e altas rotações, aumentando o seu desempenho.

Além disso, o carro é leve, com apenas 1.550 quilos. Esse fator se deve por conta do material, feito de alumínio e aço. Possui 4,62 metros de comprimento e 1,85 m de largura.

As rodas de liga leve são de 18 polegadas, com pneus 245/40. Para aqueles que visam o espaço, esse não é o forte do carro, com capacidade de 455 litros no porta-malas.

O novo Audi A5 Coupé será vendido a partir de R$ 202.700. E segundo informações da fabricante ele é  27,9% mais econômico que o anterior.

Por Camila Caetano


A sétima geração do Porsche 911 acabou de chegar ao Brasil, que inicialmente será vendida apenas na versão Carrera S, a qual possui um motor potente com seis cilindros, podendo chegar a até 400 cavalos, até porque é um carro esportivo, e o consumidor procura por essa reação do automóvel.

O Porsche também apresenta transmissão automatizada PDK, com sete marchas além da dupla embreagem, o que permite que as marchas sejam trocadas de maneira suave, dando conforto ao condutor. A nova versão também foi desenvolvida visando a melhoria na estabilidade do carro diante de curvas, mesmo quando em alta velocidade, proporcionando muita segurança.

O carro ainda possui o sistema Sport, caso o botão seja acionado, o motorista já escutará de imediato o ronco do motor, por ficar mais potente, e assim, as trocas passam a serem realizadas em um tempo mais curto, com um giro mais elevado.

Também há o modo Sport Plus que permite ao carro troca de marchas de até 7.800 rpm.

A expectativa é vender 65 unidades do novo 911 até o fim desse ano, sendo apenas 15 na versão conversível, que poderá chegar ao valor de R$ 699.000.

Por Camila Caetano


Os carros elétricos e híbridos – a grande tendência do mercado automotivo – podem chegar ao público brasileiro no próximo ano se houver uma mudança nas regras comerciais.

Isso porque atualmente no país o diesel é proibido para carros de passeio e os elétricos e/ou híbridos são vetados pela ausência de incentivos públicos. Mas esta situação pode mudar, pois há uma previsão de que em janeiro de 2013 o lobby do etanol e do pré-sal seja rompido pelo Ministério da Fazenda diminuindo o IPI dos automóveis "verdes".

Se esta possibilidade se confirmar carros elétricos como o Renault Fluence Z.E. e o Renault Twizy podem desembarcar no Brasil de vez. O Fluence possui um preço de aproximadamente R$ 67 mil, não tem emissão de poluentes, tem o para-choques e as lanternas modificadas, possui baterias elétricas que ficam entre o habitáculo e o porta-malas do carro. O seu motor possui 95 cavalos de potência, com um torque de 22 kgfm.

Já o Renault Twizy, de uso urbano, é uma junção entre o carro e a moto com sete cavalos de potência e autonomia de 45 quilômetros, não exige carteira de motorista e pode ser conduzido por qualquer pessoa com mais de 16 anos de idade. Possui 2,33 metros de comprimento, carroceria metálica com cobertura em fibra e plástico, teto panorâmico e espaço para duas pessoas e bagageiro com capacidade de até 55 litros.

Portanto, assim que os empecilhos econômicos e políticos forem retirados o Brasil terá a grande possibilidade de ter à disposição de seus motores uma verdadeira frota de carros confortáveis, inovadores e sustentáveis.

Por Ana Camila Neves Morais


Depois de algumas mudanças na estratégia da Fiat em relação ao pequenino 500 tudo mudou nas terras tupiniquins.

A marca italiana resolveu importar o modelo do México desde o meio do ano passado, e com isso não precisa pagar o imposto de importação que desembolsava pelo mesmo modelo que vinha da Polônia.

Com essa novidade, o subcompacto, em sua versão de entrada Cult, sofreu uma queda bastante considerável em seu preço, passando de R$ 60 mil para cerca de R$ 40 mil, oferecendo uma oportunidade de aquisição aos apaixonados pelo charmoso modelo.

Desde então as vendas dispararam e passaram das discretas 50 unidades vendidas por mês para 1.600 em 2012.

Além dessa incrível diferença no preço, o charmoso Cinquecento mexicano sofreu algumas mudanças em sua mecânica, utilizando o motor 1.4 8V Evo, de 88 CV e 12,5 kgfm, com câmbio manual ou automatizado Dualogic com 5 velocidades. Já nas versões top de linha, Sport e Loung, o motor passou a ser 1.4, com cabeçote MultiAir, 105 CV e 13,6 kgfm de torque, além de poder receber uma transmissão automática de 6 marchas.

No quesito estética, a Fiat manteve a imagem retrô-futurista do modelo. Os quatro faróis arredondados, o capô curto, as rodas agressivas e as lanternas traseiras com molduras cromadas conquistam seus admiradores pela beleza e requinte que oferecem.

Outros itens de série presentes no 500 são: ar condicionado, computador de bordo, direção elétrica, trio elétrico, banco do motorista com regulagem de altura, sistema de partida em Aclive, rodas de liga leve de 15” e rádio (com CD, MP3 e auxiliar).

O preço de saída do 500 Cult está em, aproximadamente, R$ 40.770.

Por TB


A informação de que o novo veículo da Mini se chamaria Countryman Coupé foi descartada.

Na última quarta-feira, dia 4 de julho, o mistério foi revelado e o carro passou a receber o nome de Paceman. A informação é de acordo com a afirmação de Kay Segler, diretor geral da marca.

O modelo trata-se de um crossover, com 2 portas, que tem como base o Countryman, e deve ser apresentado oficialmente na Europa e também no Brasil, durante a realização do Salão Internacional do Automóvel de São Paulo, em outubro deste ano. Este produto será um marco para o mercado brasileiro, em virtude de ser o primeiro lançamento feito no país, ainda em fase de preparação na matriz.

As versões esperadas para a exposição incluem, além do protótipo com motor 1.6 l turbo, a chamada versão JCW (John Cooper Works), mais envolvente e adaptada para os modelos Roadster, Countryman e Coupé.

Contudo, a intenção da marca, por enquanto, é mostrar o seu veículo, para dar início à produção apenas no fim do ano, e comercializá-lo a partir de 2013, quando o processo de homologação do produto já estiver liberado no Brasil.

Por Anne A. Matioli Dias


A BMW do Brasil já apresentou a nova geração do Série 3, conhecido como sendo o veículo da marca mais vendido no mundo todo.

A 6ª geração do modelo chega ao Brasil, em 2 versões, com algumas mudanças no design e na parte mecânica, atribuindo-lhes maior economia e potência. A 1ª versão, intermediária, trata-se da 328i, enquanto a 2ª versão, a 335i, caracteriza-se por ser a top de linha. Há ainda a versão 320i, de entrada, programada para chegar ao Brasil, apenas no mês de agosto.

De acordo com as informações obtidas, para as 2 primeiras versões, os valores anunciados são a partir de R$ 171,4 mil. Já na versão de entrada, o valor de venda deverá ser menor, por volta de R$ 130 mil.

Para a montadora, a chegada do modelo ao Brasil tem o objetivo de reforçar o seu comércio de automóveis, na tentativa de manter um alto número de vendas mesmo com a medida adotada pelo governo, que aumentou o IPI de carros fabricados fora do México e Mercosul, desde o final de 2011. No ano passado, as vendas superaram uma quantidade de mais de 12 mil veículos no país.

Por Anne A. Matioli Dias


De acordo com o anúncio feito pelo CEO da General Motors, Dan Akerson, a minivan Spin terá um preço acessível para os consumidores. O anúncio foi feito na terça-feira (12/06), durante o encontro de Akerson com acionistas.

O CEO da GM ainda comentou que o novo veículo deverá ser apresentado ao público em duas semanas e tem como objetivo ser uma alternativa “bonita e acessível” voltada para famílias.  O carro também deverá ter transmissão automática de seis velocidades e, no mercado brasileiro, vai substituir a Meriva e a Zafira.

No mesmo dia do anúncio do CEO, uma foto da Spin foi publicada pela GM tailandesa e, em nota, foi informado que o veículo será fabricado na Indonésia. A fábrica de veículos ainda deixou claro que a minivan possuirá cinco ou sete lugares. No entanto, a GM do Brasil ainda não informou quais versões da Spin serão comercializadas no país. A última informação é relativa ao câmbio, que deve ser o mesmo do sedan Cruze.

Na reunião com os acionistas, Akerson ainda especificou os investimentos da GM na China e na Rússia e ainda confirmou que a empresa deverá aumentar as apostas na Europa no próximo ano.

Por Matheus Camargo

Fonte: GM


O Sonic, famoso nos EUA pelo seu tamanho compacto e por isso presente cada vez mais nas ruas locais, agora chega ao Brasil pronto para disputar o mercado com o Fiat Punto e Ford New Fiesta, além de carros que serão lançados futuramente como o novo Citroën C3 e o Peugeot 208.

Inspirado no porco-espinho Sonic dos videogames da década de 90, o novo veículo possuirá duas versões de acabamento, LT e LTZ. As novidades são os faróis e as lanternas com lentes próprias que prometem criar um efeito 3D. Quem gosta de carros com grande estilo aprovará o painel de instrumentos semelhante ao das motocicletas, além de conta-giros analógico com velocímetro digital.

O Sonic hatch sairá por R$ 46.200, na versão LT, R$ 48.700, na LTZ e R$ 53.600 como LTZ automático. Já o sedan apresenta os valores de R$ 49.100 como LT, R$ 51.500 na versão LTZ, e R$ 56.100 na versão LTZ automático.

O modelo de entrada oferecerá direção hidráulica, freios com sistema anti-travamento (ABS), ar condicionado, retrovisores com regulagem elétrica, rodas de liga leve de 15 polegadas, vidros e travas elétricas, e airbag duplo. Já a LTZ, também contará com faróis de neblina, volante multifuncional, sensor de estacionamento, e rodas de liga leve aro 16. Ambos possuem motor 1.6. e aceitam etanol e gasolina.

Por Camila Caetano


Com o crescimento das vendas de SUVs urbanos na última década, diversas marcas investiram fortemente nesta área. Este aumento abrange desde as generalistas até as premium, assim, a Audi, uma das empresas que mais investe no setor, lança de forma oficial no Brasil o modelo Q3, que, apesar de ser um SUV médio, tem praticamente todos os apelos esportivos de um off-road.

Muito antes do lançamento do Q3 no Brasil, a Audi já havia dado alguns indícios de que estava interessada em apresentar o carro ao mercado nacional. No mês de fevereiro deste ano, a marca de origem alemã fez um pré-lançamento de seu menor utilitário esportivo. O carro foi apresentado nas concessionárias e essa tática teve como objetivo familiarizar os consumidores ao utilitário. Porém, nesta época o Q3 ainda não estava à venda.

Somente agora, quatro meses depois da aparição inicial, o carro tem seu preço estipulado em R$ 144.900 na versão de entrada. A inserção do carro no mercado tem como objetivo disputar com o BMW X1, Land Rover, Evoque e Freelander.

A Audi tem a política de não apostar em carros de entrada, mas este lançamento é encarado como uma forma de reaver o prestígio que ficou abalado com o abandono da marca no Brasil após o término da produção do A3 no Paraná no ano de 2006.

Por Marcelo Araújo


Chegou ao Brasil o sexto modelo da família Mini da BMW, o Mini Roadster. O novo modelo possui teto fechado, motor de quatro cilindros que tem como base a tecnologia Valvetronic, ou seja, um gerenciamento de válvulas diferenciado. Essa tecnologia é capaz de gerar uma potência de 120 km por hora a 6 mil RPM. Com essa potência, o Mini Roadster é capaz de alcançar 100km/h em apenas 9 segundos. O modelo tem como velocidade máxima 199 km/h. 

De acordo com o Diretor da Mini no Brasil, Martin Fritsches, o veículo traduz todo o estilo esportista e irreverente da marca. Ele ressaltou também que em 2011, a Mini ocupou a 13ª posição no ranking mundial de vendas. Desde o seu lançamento em 2009, a coleção Mini já vendeu cerca de seis mil veículos. 

Outra versão do veículo é o Mini Cooper Roadster, nesse caso o motor é equipado com a tecnologia Mini TwinPower com potência de 184 hp a 5.500 RPM. Com o uso dessa tecnologia o veículo é capaz de alcançar 100 km/h em no máximo 7 segundos. 

As duas versões do veículo possuem preços sugeridos de R$ 132.950,00 e R$ 144.950,00

Por Joyce Silva


A Chrysler anunciou a implantação de duas distribuidoras de peças autorizadas na América Latina. A boa notícia é que um dos países contemplados é o Brasil, e a outra unidade será lançada na Argentina

A empresa Mopar, responsável exclusiva pela distribuição das peças da linha Chrysler a nível mundial, afirmou que a principal finalidade da implantação das filiais na América do Sul é agilizar os processos de manutenção junto às concessionárias argentinas e brasileiras.

O Brasil e a Argentina foram escolhidos devido ao notável potencial econômico de ambos os países, que embora emergentes, estão em ascensão. Vale ressaltar, no entanto, que os países latinos não são os pioneiros, já que a Chrysler lançou recentemente, seguindo esse mesmo critério, distribuidoras em Shanghai, na Arábia Saudita e nos Emirados Árabes, nações em evidente crescimento socioeconômico.

Em nosso país, a unidade de distribuição de peças será fixada no município de Louvadeira, situado no interior paulista. Construída em um terreno de 4.500 m2, a distribuidora terá capacidade para atender 30 concessionárias nacionais, com mais de 20.000 peças por mês. 

O grupo Chrysler demonstra com a implantação desse novo centro de distribuição, que  tem o desejo de se firmar no Brasil, o que de fato, só agrega no setor de autos.

Por Larissa Mendes de Oliveira


Prestes a completar 16 anos de existência, a picape S10, da Chevrolet, finalmente terá a sua nova geração lançada no Brasil. Apresentada na metade de fevereiro, a Nova Chevrolet S10 2012 já teve os seus preços revelados pela montadora norte-americana, que pretende iniciar as vendas até o final do mês de março.

Partindo de R$ 58.868, será oferecida a versão básica LS Flex cabine simples 4×2, com câmbio manual. De fábrica ela traz direção hidráulica, ar condicionado, computador de bordo e freios ABS, além do motor Flexpower 2.4 (até 147 cv de potência). A versão LS Flex 4×2 manual, com cabine dupla, sai por R$ 66.350, enquanto a LS Diesel 4×4 manual, com motor Turbodiesel 2.8 (180 cv), custará R$ 85.400.

A linha intermediária acrescenta rodas de liga leve aro 16, travas elétricas, piloto automático e rádio com CD, MP3 e Bluetooth. Os modelos são S10 Cabine Simples LT Flex 4×2 manual, R$ 61.890; Cabine Dupla LT Flex 4×2 manual, R$ 72.490; Cabine Dupla LT Diesel 4×2 manual, R$ 97.900; Cabine Dupla LT Diesel 4×2 automática, R$ 103.900; Cabine Dupla LT Diesel 4×4 manual, R$ 109.500; e Cabine Dupla LT Diesel 4×4 automática, R$ 113.400.

Já a versão top de linha da S10 2012 será comercializada apenas com cabine dupla, adicionando ar condicionado digital, volante multifuncional, bancos de couro e rack de teto, entre outros itens. Os preços sugeridos são R$ 84.400 (LTZ Flex 4×2 manual); R$ 117.400 (LTZ Diesel 4×4 manual); e R$ 135.250 (LTZ Diesel 4×4 automática).

Por André Gonçalves


Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) divulgou uma notícia muito interessante sobre o Fusion Hybrid. Ele foi analisado e descobriu-se que é o modelo mais econômico do Brasil.

Seu motor 2.5 l é movido a gasolina, embora só tenham sido vistos modelos disponibilizados pelas montadoras de forma voluntária.

Com um desempenho de 13,8 km/l, o conhecido híbrido da Ford ficou bem na frente de automóveis reconhecidos pelo baixo consumo de combustível, como o Uno Mille de 12,7 km/l, o novo Uno de 12,5 km/l, o Palio de 12,2 km/l, o famoso Logan e o Renault Sandero com 12,1 km/l de desempenho.

Em contrapartida, o preço de R$ 133.900 não faz frente com a tamanha economia de gasolina. Este valor é cerca de R$ 50 mil mais caro que a versão de um motor mais poluente, ou seja, a combustão.

No ano passado, foram comercializadas mais ou menos umas dez mil unidades da linha Ford Fusion. O modelo ecológico representou somente 5% dessas vendas, o que, na verdade, são aproximadamente 500 unidades.

Ser sustentável pode até ser bom para o meio ambiente, mas parece que para os lucros do fabricante, isso não é nada legal.

Por Jéssica Monteiro 

Fonte: Terra


Chegaram ao Brasil as versões bicombustível do utilitário esportivo SW4 e da picape Hilux, ambas criadas pela Toyota. Os carros usam um propulsor que fornece 163 cv de potência e 25mkgf de torque em 3.800 rpm quando o etanol é usado como combustível.

Para a Hilux, temos duas opções de acabamento: a SR cabine dupla e tração 4×2 tem direção hidráulica, ar condicionado, travas e vidros elétricos, freios ABS e airbag duplo. A SRV CD 4×4, por sua vez, vem com o acréscimo de uma tela LCD, bancos com ajustes elétricos e ar condicionado digital. Tanto a SR quanto a SRV vêm com transmissão automática de 4 níveis de velocidade.

O SW4 Flex Fuel está disponível apenas na versão SR 4×2 com lugares para cinco pessoas e possui o mesmo câmbio automático e equipamentos que a picape.

Para você que ficou curioso quanto ao design, a Hilux e o SW4 não têm entrada de ar no capô como no modelo a diesel. O SW4 vem com rodas de 17 polegadas e possui máscara negra nos faróis de neblina. Na Hilux, os retrovisores podem ser cromados ou pretos e as rodas são de 16 polegadas, sendo que no modelo SRV, a picape conta com estribos laterais.

Os preços dos modelos flex são:

  • Hilux SR 4×2: R$ 88.730;
  • Hilux SRV 4×4: R$ 103.420;
  • SW4 SR 4×2 5 lugares: R$ 114.150.

Por Tiago Batista


O Jeep Compass, versão atualizada do crossover de entrada da marca norte-americana, já começou a desembarcar no Brasil. Mas por enquanto, estará apenas em exposição nas concessionárias do Grupo Chrysler, já que as vendas estão previstas para começarem a partir do mês de fevereiro.

O modelo passou recentemente por algumas mudanças em seu visual, adotando uma nova dianteira, ficando bastante parecido ao Grand Cherokee, outro carro de sucesso da fabricante, além de volante com novo desenho, acabamento diferenciado e novos acessórios. Ele traz sob o capô o motor movido a gasolina, de quatro cilindros e 2.0 litros, capaz de entregar 156 cv de potência, gerenciado pela transmissão automática CVT. Por aqui, será comercializada apenas a versão com tração dianteira (4×2).

De série, o crossover vem com lanternas traseiras em LED; rodas com novo design; faróis de neblina; vidros escurecidos; sistema de manutenção da pressão dos pneus; retrovisores com aquecimento; freios ABS; airbags de cortina laterais; controle eletrônico de estabilidade; e piloto automático, entre outros itens.

O preço do Compass ainda não foi divulgado pela Chrysler, mas especula-se que ele vá custar abaixo dos R$ 100.000,00, uma estratégia da marca para concorrer diretamente com o Kia Sportage, Honda CR-V, Chevrolet Captiva, Mitsubishi ASX, Toyota RAV-4, Hyundai ix35 e Fiat Freemont, entre outros.

A Chrysler pretende incrementar as suas vendas no país em cerca de 50%, com a chegada do utilitário esportivo.

Algumas concessionárias da marca já estão aceitando encomendas do Compass. 

Por André Gonçalves


A empresa Lamborghini confirmou no dia 19 de dezembro, que irá lançar o Gallardo LP 570-4 Super Trofeo Stradale em território brasileiro.

O novo esportivo será comercializado pelo Grupo Via Itália, representante oficial da montadora italiana no Brasil, pelo preço de R$ 1,7 milhão e foi apresentado na última edição do Salão de Frankfurt, ocorrido em setembro.

O modelo tem produção limitada a 150 unidades, sendo apenas 3 delas destinadas para comercialização no Brasil. Esta versão também vem equipada com o mesmo defletor traseiro utilizado no modelo de competição, podendo ser ajustado manualmente pelo motorista para que funcione de uma forma mais otimizada.

O Trofeo Stradale tem motor V10 de 570 cv e, de acordo com a montadora, é capaz de atingir uma incrível marca, saindo de 0 a 100 km/h em 3,4 segundos e até 200 km/h em 10,4 segundos. A potência produzida é transmitida para as quatro rodas através de uma caixa e-gear automatizada de seis relações com borboletas no volante, constantemente utilizada em modelos de competição. O motor é de 10 cilindros e capaz de chegar a 55,06 mkgf de torque.

O novo Gallardo pesa 1.340 kg, 70kg a menos que sua edição anterior.

Por Manoel da Costa Junior


Mais um lindo carro que será lançado no Brasil no início de 2012 e em mais 170 países é o Nissan Sunny, da empresa japonesa Nissan. Ele foi desenvolvido pensando no conforto de famílias jovens, pois foi projetado para facilitar o transporte pela cidade com uma maior economia.

O novo Nissan Sunny é um sedan compacto que chega para ocupar o lugar do Nissan Tiida Sedan, e que vem com um porta-malas de 420 litros, um motor de 1.6 flex da Renault de 115 cavalos de potência, o qual mesmo sendo de 1.6 é muito econômico e rápido, tornando-se muito bom para quem pretende viajar. Vem também com um dos melhores câmbios automáticos, o Xtronic CVT de 1.5, e com dimensões de carros maiores com 1,50m de altura, 4,45m de comprimento, 2,60m de distância entre eixos e 1,69m de largura, e a parte interior terá acabamento em tecido nos forros das portas, um painel de boa qualidade construído de plástico duro, e rádio CD Player e MP3.

Esse carro faz parte do projeto global que originou o hatch compacto March, pois conta com a mesma arquitetura que é utilizada na fábrica Aguascaliente, no México, porém o Nissan Sunny está sendo fabricado na cidade de Guangzhou, na China.

Para quem gostou desse carro terá que esperar alguns meses para comprá-lo, além de ter que dispor de uma quantia que gira em torno de R$ 40 mil, que é o preço de um carro popular.

Por Fernanda Oliveira


Algumas instituições públicas brasileiras firmaram convênio com a Alemanha no intuito de desenvolver novas tecnologias para o funcionamento de motores de carros, visando reduzir a poluição.

Carros elétricos estão ficando cada vez mais populares em todo o mundo, e o Brasil e a Alemanha começam a pensar em sua própria tecnologia de locomoção sustentável.

A ideia dos dois países é criar um veículo que funcione com energia gerada a partir de resíduos de esgoto. A primeira frota de veículos montada com o novo tipo de motor deve ser produzida na cidade de Franca, interior do Estado de São Paulo. A ideia é transformar o gás liberado no processo do tratamento de esgoto em combustível, diminuindo o uso de petróleo e a emissão de gás carbônico na atmosfera terrestre.

A iniciativa é da Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp) em parceria com o Instituto Fraunhofer. O investimento previsto para a produção é de cerca de R$ 6 milhões, sendo que R$ 5,1 milhões provém do Ministério do Meio Ambiente alemão. O projeto já existe em algumas cidades do mundo e, segundo a Sabesp, os carros produzidos funcionam normalmente.

Por Mozart Artmann


A Land Rover divulgou as informações oficiais sobre o seu novo utilitário esportivo de luxo que estreia no Brasil em novembro, o Range Rover Evoque.

Ele será oferecido em 3 versões de acabamento, todas com tração integral e equipadas com o motor Si4, de 2.0 litros, movido a gasolina, capaz de alcançar 240 cv de potência e 34,7 kgfm de torque. O propulsor vem acoplado ao câmbio automático sequencial de 6 marchas.

O modelo de entrada, Pure, traz rodas de liga leve aro 18; ar condicionado automático; bancos revestidos de couro e com regulagem elétrica; sistema de áudio com 11 alto-falantes, entrada para iPod, USB e Bluetooth; e faróis de neblina, entre outros itens. Os preços sugeridos partem de R$ 164.900, na versão de 5 portas, e R$ 167.900, no modelo cupê.

O intermediário, Prestige, custa R$ 182.900 e está disponível na versão de 5 portas, que acrescenta rodas aro 19; sistema Park Assist; sistema de navegação; faróis de xenônio; e teto panorâmico. Adicionando o pacote Tech, composto por duas telas de LCD para os passageiros, câmera de 360º, sistema multimídia premium com tela touchscreen de 8 polegadas e rodas aro 20, o preço vai para R$ 231.900.

Já o Range Rover Evoque Dynamic, top de linha, o mais esportivo da gama, tem preços iniciais de R$ 182.900 (5 portas) e R$ 187.900 (cupê). Incluindo o pacote Tech, com bancos aquecidos do tipo concha, entre outros acessórios, os valores chegam a R$ 231.900 (5 portas) e R$ 236.900 (cupê).

Por André Gonçalves

Fonte: Land Rover Brasil


Para completar a família Lancer vendida no Brasil, a Mitsubishi está lançando as versões de entrada do sedã, que se juntam ao recém-lançado Lancer Sportback Ralliart e ao já conhecido Lancer Evolution X.

As novidades chegam equipadas com motor de 2.0 litros, que pode vir associado ao câmbio manual de 5 velocidades ou à transmissão automática sequencial CVT, de 6 marchas, com opção de troca via borboletas, localizadas atrás do volante. O bloco, de 4 cilindros e 16 válvulas com comando variável, além de injeção eletrônica multiponto sequencial, rende 160 cv de potência e 20 kgfm de torque. Ele é movido a gasolina.

Estarão disponíveis, a partir de novembro, três versões, que contam com rodas de liga leve aro 18; escapamento com ponteira cromada; faróis com sensor de acendimento; computador de bordo no painel central; piloto automático; trio elétrico; ar condicionado automático; retrovisores, maçanetas e para-choques na cor da carroceria; e freios a disco nas quatro rodas, com ABS e distribuição eletrônica de frenagem. Outros destaques são o porta-malas com 413 litros de capacidade e o sistema “Full Airbags”, que equipa uma das versões.

O Lancer 2.0 M/T vai custar R$ 67.990, enquanto o Lancer 2.0 CVT tem preço sugerido de R$ 73.990. Já o Lancer 2.0 GVT, que adiciona bancos de couro, full airbags e o sistema multimídia Power Touch completo, com GPS em português, será vendido por R$ 85.990. Há ainda o Lancer 2.0 GVT acrescido de faróis de Xenon e espelho eletrocrômico, que sai por R$ 89.990.

Por André Gonçalves

Fonte: Mitsubishi


O presidente da montadora britânica, Torsten Muller Ötvös, anunciou na segunda-feira, dia 24 de outubro, que o Rolls-Royce vai ser vendido diretamente no Brasil a partir de março de 2012.  E a primeira loja a recebê-lo, fica na região nobre de São Paulo, no Jardins.

Para ter um esplendoroso carro destes em sua garagem, o brasileiro terá que dispor de R$ 1,75 milhões a R$ 2,62 milhões dependendo do modelo.

A decisão de trazer o Rolls-Royce ao Brasil foi porque o país apresentou um grande crescimento econômico nos últimos anos, segundo o Sr. Torsten, estimulando o investimento aqui.

São esperadas as vendas de dez a quinze carros, uma quantidade modesta, mas significativa para o início do ano. O grupo Via Itália será o responsável por administrar a concessionária no país.

A presença da representação comercial em São Paulo, juntamente com outra a ser inaugurada no Chile, serão as primeiras representações da marca na América do Sul.

Modelos como Ghost e Phantom poderão ser encontrados em estoque, como também adquiridos por encomenda (cerca de 4 a 5 meses para a entrega), garante o executivo responsável pela Via Itália.

Por Dorcas Nunes


A Rolls-Royce, montadora de carros luxuosos e artesanais mais exclusiva do mundo, anunciará na próxima segunda-feira (24 de outubro) a abertura de uma loja no Brasil.

A marca que hoje é controlada pela BMW marcou uma entrevista coletiva para a data e promete oficializar o ponto de venda na cidade de São Paulo (SP). Os modelos vendidos devem ser o Phantom e o Ghost.

A expectativa da Rolls-Royce não é realizar muitas vendas e aumentar demasiadamente seu lucro, pois os carros são caros e visam apenas um público específico. A ideia é, portanto, atender a essa demanda de carros luxuosos e importados que cresce cada vez mais no Brasil.

A marca inglesa garante que não está intimidada com os conflitos sobre o aumento do Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) para carros importados, porque a economia brasileira continua dando sinais de crescimento.

O Phantom custa em torno de 380 mil dólares, cerca de 670 mil reais. Com os custos de importação e impostos, caso o IPI realmente fique mais alto, o valor deve se aproximar dos 2 milhões de reais.

A montadora britânica já atua no Brasil há mais de cinco décadas, mas em outro segmento. A Rolls-Royce faz manutenção de motores de jatos e helicópteros desde o ano de 1959.

Por Mozart Artmann


Desde a chegada da Audi, em 1993, brasileiros têm aprovado o design moderno e com apelo esportivo trazidos pelos novos carros da marca, que não perdem a classe de um autêntico carro alemão.

A Audi é uma montadora de automóveis de luxo, com sede em Ingolstadt, que há mais de um século fabrica automóveis. Sua longa trajetória foi marcada por muitas fusões, que inclusive inspiraram o logotipo da marca, conhecido pelas suas 4 argolas.

Há pouco mais de uma década no mercado brasileiro, são expressivos os números que apontam o grande crescimento da marca no país, sobretudo com a comercialização de sua nova linha de produtos. Os novos carros da Audi inspiram modernidade, conforto e alto desempenho, por meio de elementos como arrojados faróis de led, tecnologia de suspensão variável Audi Magnect Ride, que permite alternar entre suspensão sport e normal, além do conjunto mecânico, com incremento de tecnologias como s tronic (que permite trocas de marcha mais rápidas), FSI (que traz maior economia e ganho de performance para os motores) e o TFSI (que é o FSI com turbo).

Recentemente lançado pela marca, o A1 foi recebido pelos brasileiros em grande estilo, em um grande evento promovido pela marca na capital paulista. Com design ultramoderno e compacto (3,95 metros de comprimento, 1,74 metros de largura e 1,42 metros de altura, segundo dados da montadora), o A1 é tido como um veículo de alta performance, apresentando consumo médio de 18,8 km/l,  sendo 15,4 km/l na cidade e 21,7 km/l na estrada.

O preço sugerido é de R$ 89.900,00, o que o faz ocupar o lugar de veículo mais barato e “tangível” da montadora.

Com uma gama completa de veículos produzidos com qualidade e antenados com as tendências atuais, a Audi tem abertura para se tornar referência no mercado brasileiro quando o assunto é carro premium, disputando a preferência dos consumidores com as já consagradas Mercedes-Benz e BMW.

Por Airton Felix Junior


A Ford está programando para o início do mês de outubro a apresentação oficial do New Fiesta Hatch 2012 no mercado brasileiro. As vendas do modelo, que é produzido no México e tem sido flagrado com bastante frequência nos últimos meses sendo testado por aqui, começam logo em seguida. Os preços devem partir de R$ 47.000, segundo especulações.

A nova geração do New Fiesta Hatch terá sob o capô a mesma mecânica empregada no modelo sedã, ou seja, o motor Sigma de 16 válvulas e 1.6 litro, bicombustível, acoplado ao câmbio manual de 5 velocidades, capaz de gerar até 115 cv de potência. Ambos também têm em comum o mesmo estilo de rodas, de 15 polegadas, enquanto algumas das diferenças estão no tamanho (4,06m de comprimento do hatch contra 4,40m do sedã) e na capacidade do porta-malas (360 litros contra 400 litros).

A montadora norte-americana ainda não confirmou, mas o modelo deverá ser oferecido em três versões de configuração. A mais básica deve contar com trio elétrico, ar condicionado, rodas de alumínio, direção hidráulica, alarme e som com MP3 e CD. Na intermediária é esperado o acréscimo de airbags frontais, de cortina e laterais, e freios ABS, enquanto a top de linha estará equipada com bancos em couro e rodas aro 17, entre outros itens.

Por André Gonçalves


Não é segredo para ninguém que a Chevrolet pensa em substituir a sua atual gama de minivans vendida no Brasil, que conta com os modelos Meriva e Zafira. Uma das opções que está pintando como a favorita para assumir o lugar destas é o Chevrolet Orlando, monovolume com capacidade para 7 pessoas, que utiliza a mesma base do Cruze, lançado há poucos dias no país.

Vendido na Europa desde 2010, o Orlando sai de fábrica equipado com rodas de liga leve de 17 polegadas; controle automático de estabilidade e de tração; sensores de estacionamento, crepuscular e de chuva; ar condicionado automático; seis airbags (duplo frontal, de cortina e laterais); terceira fileira de bancos rebatíveis; trio elétrico; e som com CD, MP3 e porta USB, entre outros itens.

Com relação aos motores, uma das opções é o propulsor a diesel de 2.0 litros, oferecido nas versões de 131 cv e de 163 cv de potência. A outra opção é o bloco 1.8, movido a gasolina, que desenvolve 141 cv de potência. Por aqui, se realmente chegar ao país, em 2012, o modelo deverá ganhar uma opção de motor flex.

No velho continente, o Chevrolet Orlando custa a partir de 30.990 euros, o equivalente a R$ 75.971, sem contar os impostos e as taxas de importação para o Brasil.

Por André Gonçalves

Fonte: Interpress Motor


A Chevrolet divulgou as informações oficiais sobre o sedã Cruze, que estará à venda nas concessionárias do Brasil ainda em setembro. O modelo será montado na planta industrial localizada em São Caetano do Sul, na Grande São Paulo, recebendo peças importadas da Hungria, Áustria e México.

A versão de entrada é a LT, que tem preço sugerido de R$ 67.900, e conta com computador de bordo, ar condicionado digital, central multimídia, quatro airbags, transmissão manual de seis velocidades, freios ABS com distribuição eletrônica de frenagem, entre outros itens. A mesma versão, adicionada de sensor crepuscular, sensor de chuva e câmbio automatizado de seis marchas, sai a R$ 69.900. Quem quiser acrescentar ainda o revestimento de couro para os bancos vai pagar R$ 71.900.

Já a versão top de linha, LTZ, será comercializada a partir de R$ 78.900 e virá equipada com rodas de alumínio aro 17; sensor de estacionamento traseiro; airbags laterais, frontais e de cortina; espelhos retrovisores com rebatimento elétrico; sistema de navegação e de entretenimento acessados através de tela LCD de 7 polegadas; botão para acionamento do motor no painel; e câmbio automático de seis velocidades.

Sob o capô de ambas as versões estará o motor flex Ecotec, de 16 válvulas e 1.8 litro, capaz de desenvolver 144 cv de potência e 18,9 kgfm de torque, quando abastecido com álcool. O bloco pode levar o sedã à velocidade máxima de 204 km/h, na versão manual, e de 197 km/h, no modelo automático, de acordo com a Chevrolet.

Por André Gonçalves


A BorgWarner, multinacional que produz componentes e sistemas para motores de veículos de passeio, utilitários leves e pesados, vai construir uma nova fábrica no interior de São Paulo, na cidade de Itatiba. A planta, cuja construção se inicia no final do ano, terá um investimento de R$ 70 milhões e deve ficar pronta até o final de 2012. Dentre os principais componentes desenvolvidos pela empresa destacam-se os turbocompressores e o comando de válvulas variáveis, tecnologias para melhorar o desempenho dos motores.

Com a nova fábrica, que terá maior capacidade de produção que a atual, instalada em Campinas, que deve ser fechada assim que a outra estiver pronta, os dirigentes da BorgWarner acreditam que irão contribuir para a popularização do turbo no mercado nacional, uma vez que algumas montadoras estão em negociações adiantadas para oferecer o componente nos carros fabricados por aqui. Essas montadoras são a Volkswagen, a Ford, a Fiat e a PSA Peugeot-Citroën.

No caso da Ford, a parceria com a BorgWarner está no novo motor EcoBoost 1.0, que estará presente em veículos globais da marca. Já com relação à Volkswagen, especula-se que a parceria renderia um novo bloco 1.4 turbo, para equipar uma versão mais esportiva do Gol. 

Por André Gonçalves


O jovem estudante morto dentro do Campus de Economia da Universidade de São Paulo (USP) expôs, mais uma vez, o perigo que ronda a vida dos brasileiros. Embora o rapaz assassinado contasse com um veículo blindado, não foi suficiente para evitar o crime. De acordo com dados divulgados pela Associação Brasileira de Blindagem (ABRABLIN), em 2010 pouco mais de 7,3 mil veículos passaram a contar com esse sistema de proteção, incremento de 5,86% no confronto com o ano anterior.

O número, recorde para o segmento, revela que a criminalidade foi o grande estopim para que as pessoas procurassem na blindagem um meio de atalhar o sentimento de insegurança. Em maior número anteriormente no Rio de Janeiro e São Paulo, a proteção já se estende por outras capitais brasileiras.

O nível de proteção mais utilizado no país é o III-A, capaz de suportar tiros de revólver .44 Magnum e pistola 9mm. Segundo a associação, o público que mais usufrui da tecnologia é o masculino, com 65% de procura. Do total, 22% compreendem a faixa etária que se estende dos 50 aos 59 anos. Em relação à ala feminina, 30% fazem parte da faixa etária de 40 a 49 anos.

Apesar do crescimento da blindagem por todo o país, São Paulo ainda lidera o ranking com 66% de representação, seguido por Rio de Janeiro, com 20%, Pernambuco e Paraná, com 3% e 2%, respectivamente.

O consumidor que tiver o interesse na blindagem precisa desembolsar, em média, quase R$ 48 mil – considerando-se os números de 2010. Logicamente, o custo depende do nível de blindagem, do material utilizado e de outros fatores que o consumidor tem acesso no momento de efetuar a aplicação do sistema.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Assessoria de Imprensa


Voltado para os mercados em crescimento, entre eles o Brasil, e por isso mesmo com a configuração bem mais simples em termos de acabamento e com um menor número de itens de série, a Renault está programando para o mês de setembro deste ano, de acordo com o site IG CARROS, o lançamento de seu SUV compacto chamado Duster.

Modelo de linhas equilibradas, visual elegante e um porte compacto, mas ao mesmo tempo marcante, o Duster é um SUV interessante que será produzido no Brasil, na cidade de São José dos Pinhais, no Estado do Paraná. E mesmo sem tantos recursos tecnológicos o modelo poderá brigar na sua faixa de mercado com boas chances de fazer bonito, pois a Renault aposta muito neste lançamento.

Quanto a motorização a versão de entrada será equipada com um propulsor flex 1.6 l com transmissão manual de cinco velocidades. Também haverá uma versão 2.0 flex que poderá ser equipada com tração integral ou 4×2.

Ainda não foram informados os preços que serão praticados para este novo modelo da Renault.

Por Mauro Câmara

Fonte: Carros IG


Os estragos que o terremoto e o tsunami causaram não são de exclusividade do Japão e estão longe de serem sanados. Nesta última semana de abril duas das grandes montadoras automotivas que apresentam fábricas no Brasil anunciaram uma paralisação em caráter temporário das atividades.  A primeira a revelar tal ação foi a Toyota. Devido à falta de disponibilidade de peças vindas do Japão, a planta de Indaiatuba, em São Paulo, não teve funcionamento no dia 25 de abril, segunda-feira. Estão agendadas ainda mais duas paralisações para os dias 06 e 20 do mês de maio, segundo o site Business Week. Nessa localidade o modelo produzido é o Corolla.

A fábrica de Zárate, situada em terras argentinas, que produz o SW4 e a picape Hilux, irá reduzir a produção de tais modelos pela metade nas datas de 13, 20 e também 27 de maio de 2011. Outra montadora que anunciou que paralisação foi a Honda, em sua planta de Sumaré, em São Paulo. No local são produzidos os modelos Fit, Civic e City. Os funcionários teriam suas férias no mês de junho, porém, elas foram antecipadas para o mês de maio, mais precisamente a partir do dia 23, segundo o site australiano My FEN. Com a unidade paralisada por 10 dias, há uma estimativa que 6 mil modelos deixem de ser fabricados no período.

Não há relatos de que possam ocorrer demissões devido a tais fatos. Somente no fim do mês de maio é que saberemos se irão acontecer novas paralisações. Tudo isso foi gerado pelo tsunami que ocasionou danos às usinas, provocando cortes de energia, que por sua vez obrigaram as fábricas a efetuarem as paralisações, assim ocorrendo a falta das peças. Uma das fábricas mais afetadas foi a de Sendai.

Por Oscar Ariel


No dia 24 de abril de 2011 a Ford completou 92 anos de atividades no Brasil. A montadora norte-americana foi a primeira a trazer uma filial para o país. No longínquo ano de 1919, era aberta a fábrica da Rua Florêncio de Abreu, localizada no centro da cidade de São Paulo, onde foram produzidos o Ford T (ou “Ford de Bigode”, como era conhecido na época), responsável pela popularização dos carros em todo o mundo e o caminhão Ford TT.

Em 1923, a fábrica, que já havia se mudado para a Praça da República e para o Bairro do Bom Retiro, ambos na capital paulista, tinha capacidade para produzir 360 tratores e 4.700 automóveis por ano. Posteriormente, novas unidades foram abertas e a empresa liderada por Henry Ford pôs no mercado diversos modelos que marcaram a história de muitos brasileiros. Alguns destes carros históricos são o Galaxie 500, lançado em 1967; os clássicos Corcel e Corcel II; Maverick; Escort; Del Rey; o caminhão F-600 e a picape Ford F-100, dentre outros.

A lista dos veículos vendidos pela Ford atualmente no Brasil conta com o Ka, Fiesta, New Fiesta, Fusion, Focus, Ecosport e Edge, além de picapes, vans e caminhões.

Fonte: Ford

Por André Gonçalves


Um dos maiores sucessos da Toyota, o Corolla, em sua versão 2012, acaba de chegar ao Brasil. Com design esportivo, sofisticado e moderno, o modelo conta com novos equipamentos de série e acabamentos diferenciados. A montadora foca o público jovem com esta linha, mas sem deixar de escanteio os demais interessados.

A versão 2012 do sedã médio é oferecida em várias configurações: motor 1.8 litro 16V Flex, com câmbio manual e automático, e Altis e XEi, com motor 2.0 litros 16V Flex e transmissão automática. No exterior, além do já citado design remodelado, os três apresentam rodas de liga leve com novo desenho.

As principais melhorias no interior do veículo começam por um novo padrão de tecido em todas as versões. Para a Xli, GLi e XEi as partes de plástico cinza ganharam tonalidades mais claras, com a parte superior do painel mais escura. A versão Altis, por sua vez, apresenta acabamentos mais escuros no padrão madeira.

A versão Xli passa a contar com alarme como item de série. Com essa configuração, quando o veículo atinge 20 quilômetros horários as portas travam automaticamente. As versões XEi e Altis, por sua vez, contemplam conexão USB para aparelhos MP3 e MP4, iPod e Pen Drive, além de conectividade Bluetooth.

Os preços variam de R$ 63.570 para a versão de entrada (Xli) a até R$ 86.570  para a versão top de linha (Altis). Os carros passam a ser oferecidos nas cores Azul Cosmos, Bege Austral, Branco Polar, Cinza Galáctico, Prata Supernova, Preta Eclipse e Verde Urano. Há um acréscimo de R$ 930 caso o cliente prefira colorir o sedã com pintura personalizada ou metálica.

Por Luiz Felipe T. Erdei


O Brasil é considerado, oficialmente, o quarto maior mercado do mundo de veículos automotores, atrás apenas do chinês, norte-americano e japonês. As vendas de carros por aqui, em 2010, entraram para a história do país e acompanharam, deste modo, o crescimento da economia.

A Toyota é uma das montadoras que conseguiu, aos poucos, boa receptividade por parte do consumidor brasileiro. No mundo, a situação para a fabricante não é diferente, inclusive se delimitados os veículos híbridos. Ao final de fevereiro, mais de três milhões de unidades de carros com a motorização híbrida foram comercializados.

Um breve histórico da Toyota ilustra a boa aceitação dessa tendência amplamente debatida nos dias atuais. No início do segundo semestre de 1997, a tecnologia Coaster Hybrid EV foi desenvolvida e pouco depois o Prius, primeiro modelo desse segmento a ser confeccionado em ampla escala. Três anos depois, houve o início da comercialização do exemplar na Europa e na América do Norte. Mais três anos adiante e eis que surgiu a segunda geração do Prius.

História vai, história vem, e a Toyota projeta modelos sobre modelos. O Lexus CT200h é um exemplo recente. Até o final do ano que vem, prevê a montadora, dez modelos entre novos e reestilizados serão lançados.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Toyota


Após assumir em julho do ano passado a Presidência da GM do Brasil, a Engenheira americana Denise Johnson deixou de ser a Presidente da General Motors do Brasil.

Primeira mulher a assumir este cargo, Denise já trabalhava há 21 anos na Empresa, tanto ela quanto a GM emitiram uma nota alegando que os motivos de sua saída foram por “ordem pessoal”.

Com isso, a Presidência da GM no Brasil retorna interinamente ao Sr. Jaime Ardila, ele que já tem o posto de Presidente da GM na América do Sul e acumula os dois cargos até que a direção da Empresa tome uma providência e indique uma nova pessoa para o cargo no Brasil.

Não se sabe se Denise Johnson continuará na GM, de acordo com nota divulgada pela Empresa, ela deixou o cargo em razão de busca de novas oportunidades na carreira.

Por Henrique Pereira


Os sedãs normalmente têm um visual mais comportado e clássico e um conjunto mecânico, que muitas vezes pode ser até bem potente, mas não possuem um ronco assim tão “enfurecido” quanto dos carros esportivos de nascença.

No entanto o Passat CC R-Line, que já está a venda no mercado nacional, promete em doses comedidas e equilibradas, dar um pouco mais de esportividade a um sedã de classe. Seu desenho clássico de linhas alongadas, diferentemente do Passat CC, seu irmão menos rebelde, ganhou alguns atributos esportivos como spoilers e saias laterais além de lanternas escurecidas, que nesta versão compõem um conjunto bem mais esportivo e menos formal sem deixar de ser elegante e bonito.

Seu propulsor é um possante 3.5 Litros V6 que pode produzir 300 Cv de potência composto por câmbio DSG de seis velocidades com dupla embreagem. Conforme informações da montadora seu poder de arranque vai de 0 a 100 Km/h em excelentes 5,6 segundos podendo atingir a máxima de 250 Km horários.

Bonito, esportivo e potente. Bons motivos também para guiá-lo com consciência dentro dos limites de velocidade e de acordo com as regras de trânsito. O Passat CC R-Line também dispõem de bons sistemas de conforto e segurança como sensor de chuva e câmera de ré, que ajuda na hora de estacionar. Pouco mais caro que a versão Passat CC convencional que já está no mercado brasileiro há algum tempo, o CC R-Line apresenta o preço de R$ 189.130.

Foto: Dream Car

Por Mauro Câmara


O mercado de veículos automotores está em franca expansão no Brasil, embora os números deste ano devam ser mais amenos em relação aos registrados em 2010. Segundo a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), a comercialização de carros, no acumulado anual, cresceu 12,42% em comparação a 2009.

Leia mais: Fenabrave – Caminhões Usados, Motocicletas e Ônibus – Vendas em 2010

Dados reunidos pela Associação Brasileira das Empresas Importadoras de Veículos Automotores (Abeiva) assinalaram que em janeiro as vendas decaíram 28,9% ante dezembro de 2010. No total, no mês passado 9.572 unidades foram emplacadas. Apesar desse arrefecimento, no confronto anual as vendas de carros saltaram 93,2%.

Por outro lado, enquanto a comercialização decresceu, a participação dos importados no mercado subiu de 3,73% para 4,16%. Para José Luiz Gandini, presidente da associação, as vendas em 2011 devem abraçar 165 mil unidades, ou seja, aproximadamente 13,7 mil emplacamentos mensais, embora entre janeiro e fevereiro o número não deva ser atingido.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Maxpress


Surge uma grande novidade para quem gosta da classe sobre quatro rodas em forma de carro bonito e potente: a partir de Maio deste ano a Mercedes-Benz estará comercializando no mercado nacional o novo esportivo CLS 63 AMG. Modelo cupê com quatro portas de visual elegante que transmite classe e esportividade em suas linhas.

De desenho mais retilíneo esta versão esportiva mantém o charme do design requintado que caracteriza o modelo da geração anterior. Sua frente imponente e a traseira discreta compõem um conjunto de grande apelo visual muito bem finalizado pela potência (que neste modelo é a maior da família). O CLS 63 AMG está montado com um propulsor biturbo V8 de 550 CV de potência que garante o arranque de 0 a 100 Km/h em somente 4,4 segundos, e atinge com velocidade máxima 300 Km/h, que é limitada de maneira eletrônica. Ou seja, esportividade e potência aliadas ao refinamento do design e a classe do estilo.

Para os apaixonados pela marca ou para aqueles que se encantaram pelo modelo, o CLS 63 AMG custará cerca de R$ 450.000.

Por Mauro Câmara

Fonte: Carros IG


Com ampla notoriedade no país, sobretudo pelo novo modelo do Uno, a montadora italiana Fiat está prestes a erguer sua segunda unidade em terras tupiniquins, mais especificamente em Pernambuco. Atualmente, os olhos dos amantes de carros estão voltados para o Salão do Automóvel de Detroit, porém mesmo assim Sergio Marchionne, presidente do grupo, deu alguns bons indícios ao Brasil.

Em sua ideia, os carros que serão fabricados na nova unidade comportarão a categoria de subcompactos, menores que o próprio Uno. Entretanto, asseverou que a plataforma ainda será delineada pela Fiat, que estima também a confecção de 200 mil veículos automotores anuais no local, com probabilidade de avançar para 400 mil.

Em matéria veiculada pelo portal da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) com base em informações divulgadas pelo Valor Econômico, Marchionni indica que o movimento na fábrica pernambucana dependerá, na verdade, das vendas ao exterior, situação dificultosa ao Brasil.

O investimento estimado à segunda unidade é de R$ 3 bilhões, 30% do total divulgado pela Fiat em todo o país como maneira de assegurar seu crescimento e sua presença.

Por Luiz Felipe T. Erdei


O setor de veículos automotores no país contabilizou boas vendas em dois momentos neste ano, o primeiro em março, último mês de isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), e o segundo em novembro. Tanto carros produzidos pelas fábricas nacionais como por montadoras estrangeiras apresentaram alta nos últimos meses, um deles o Chevrolet Agile.

Produzido pela General Motors em Rosário, na Argentina, o hatchback conquistou a preferência de mais de 7,5 mil brasileiros somente em novembro, o maior volume comercializado desde seu lançamento, ocorrido em outubro do ano passado. Segundo o portal Car Sale UOL, o resultado foi impulsionado em grande parte pelos feirões realizados pela GM há poucas semanas.

No acumulado anual até o mês passado a fabricante constata volume comercializado de 58.861 unidades, ou média mensal de 5.351 unidades. De acordo com a GM do Brasil, o desempenho do modelo no grupo de hatches apresentados com motorização superior a 1.0 litro chega a 15,5%.

A GM assegura que entre os mais de 10 veículos da categoria hatche no Brasil, o Agile é o primeiro no gosto do consumidor brasileiro, à frente do Fox e do Gol, ambos da Volkswagen.

Por Luiz Felipe T. Erdei


A presença de carros importados cresce respeitosamente no país nos dias atuais. Há poucos anos, observar algum modelo estrangeiro nas ruas era infrequente, mas não raro. O crescimento da economia brasileira, mesmo com projeções menos promissoras para o Produto Interno Bruto (PIB) 2011, têm incitado montadoras a investir suas fichas no Brasil.

A Mitsubishi Motors dará início, nos próximos dias, à comercialização do ASX, crossover compacto que será produzido por aqui em 2012, na fábrica que a montadora está edificando em Catalão, Goiás. De acordo com o Car Sale UOL, a fabricante japonesa aposta no modelo para competir diretamente com o Kia Sportage, o Hyundai ix35, o Chevrolet Captiva e o Honda CR-V.

Com preço delimitado entre R$ 81.990 e R$ 96.990, o ASX contará com três versões de acabamentos, o top de linha com tração nas quatro rodas e os outros dois com tração dianteira tipo 4×2. A filial brasileira da Mitsubishi assinala que todas as revendas já disponibilização o crossover para testdrive e comercialização.

O utilitário-esportivo, ou simplesmente SUV (Sport Utility Vehicles), contempla 4,3 metros de comprimento e 1,78 metro de largura por 1,6 metro de altura. Os consumidores brasileiros podem contar com itens básicos oriundos da fabricação original, mas interessantes, entre os quais ar digital e sistema que desliga e religa o motor quando ocorrem curtas paradas.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Um dos maiores mercados de veículos automotores em todo o mundo, estudo divulgado pela Jato Dynamics do Brasil revelou que a nação brasileira sustentou a quarta colocação na comercialização global de automóveis entre janeiro e setembro, confirmando, portanto, informações antecedentes de ultrapassagem perante a Alemanha, que anteriormente ocupava essa posição.

A China, que aglomera a maior população em um só país, nutriu a liderança nas vendas de veículos automotores, sustentado, pois, por avanço de 39,2% nos dez primeiros meses de 2010 ante período análogo do ano passado. De acordo com a Folha UOL, a asiática aglomera 9,5 milhões de unidades.

A potência que muito tem contrariado o mundo devido à adoção de medidas por parte de seu Banco Central, os Estados Unidos sustentam a segunda posição devido ao progresso de 10,5% nas vendas em conformidade à mesma base comparativa anteriormente descrita.

Para Luiz Carlos Augusto, diretor-superintendente da Jato Dynamics, a China tem se consolidado no 1º lugar e o Brasil em 4º. Caso a Alemanha não adote uma alternativa, sua comercialização de veículos continuará arrefecendo.

Por Luiz Felipe T. Erdei


A GM tem planos de expandir a marca Opel para além da Europa. Vários mercados devem receber os modelos desse braço alemão da montadora americana. Já estão confirmados Israel, Austrália, Rússia e África do Sul.

Além disso a Opel deve também desembarcar no Brasil. Antes disso, porém, os chilenos serão os primeiros consumidores da América Latina a receber a Opel. A previsão é para 2011. Os modelos que serão lançados por lá não foram divulgados, mas o rumores apontam para Insignia, Corsa e Astra.

Estão também nos planos da Opel a chegada a outros países sul-americanos como Argentina e Colômbia. Mas nesse caso ainda não há ideia de que modelos serão vendidos nesses países.

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: Carro Online


As pontes têm assustado os condutores cada vez mais, eles possuem um medo exorbitante de atravessá-las, tendo a sensação de que a qualquer momento ela irá desabar. No entanto, o motorista tem motivos para realmente se preocupar?

A mídia nos informa, quase que semanalmente, a queda de uma ponte em alguma parte do nosso vasto território nacional, esse dado inconcientemente assusta os condutores, que deduzem que a qualquer momento uma  ponte possa cair, e eles morrerão. A explicação para a constante queda de pontes estão nas constantes chuvas que atingem o Brasil, e na má construção e planejamento das pontes.  Nem sempre quando a ponte vai desabar ela mostra evidências, dificultando assim a rápida interdição da mesma.

As pontes brasileiras devem ser muito bem planejadas e examinadas por geólogos e ambientalistas, pois assim bem planejada e construída, ela dificilmente cairá.

Por MS

Fonte: Paraná Online


O Brasil iniciou este ano como um dos países mais promissores da década, atrás, obviamente, da China, um dos mercados mais conceituados da atualidade, à frente, grosso modo, dos Estados Unidos, há muito tempo considerados a grande superpotência mundial.

Investimentos: Palavra chave e sinônima ao país liderado por Luiz Inácio Lula da Silva. E se isso pode ser tomado como suposta verdade, nada mais justo do que direcionar o termo ao setor de automóveis. Segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), a aplicação financeira à industria automotiva somará cifra aproximada de US$ 11,2 bilhões entre 2010 e 2012, superior ao período 2007-2009.

Em reportagem veiculada pelo Portal de Economia do Estadão, Cledorvino Belini, novo presidente da Anfavea, avalia que algumas montadoras investirão mais em capacidade, outras em produtos, portanto, choque de competitividade, segundo suas próprias palavras. Em vista disso, acredita ser necessária a efetivação de pesquisas e performances da indústria juntamente ao governo brasileiro.

Questionado sobre o aumento em 0,75% da Selic, a taxa básica de juros da economia, Belini relata ser necessária para manter a inflação controlada, o que, no final das contas, representa pouco em prestações a qualquer setor.

Fonte: Portal de Economia Estadão

Por Luiz Felipe T. Erdei





CONTINUE NAVEGANDO: