Investimento das empresas foi de US$ 150 milhões. Previsão é de que até 2021 sejam lançados os primeiros carros sem volante e pedais.

A montadora Ford, juntamente com o Baidu, que é uma grande empresa de busca famosa na China, fizeram um investimento de US$ 150 milhões numa empresa do vale do silício, chamada Velodyne, a qual produz um dos principais elementos em veículos autônomos. De acordo com a fabricante de veículos, estarão nas ruas no ano de 2021, modelos que não possuem pedais e nem volante.

De acordo com o presidente da montadora, Mark Fields, os próximos dez anos serão conhecidos pelos veículos com direção autônoma e que o impacto destes veículos será muito importante, chegou até a compara-la com a linha de montagem criada pela Ford a 100 anos atrás.

A montadora também diz que em até cinco anos os veículos sem condutores já poderão ser fabricados em grande escala e serão utilizados para o compartilhamento da mesma forma que "robô-táxis".

Raj Nair, diretor técnico da montadora, falou que muito provavelmente a empresa não irá oferecer carros semelhantes, sem pedais e sem volante, para os clientes até o ano de 2025.

Fields também completou dizendo que eles estão se dedicando para levar as ruas os veículos autônomos, que poderão dar uma melhora no quesito segurança, além de solucionar alguns problemas ambientais e sociais para diversos indivíduos e não apenas para os que podem comprar carros luxuosos.

Para que este objetivo seja atingindo, a empresa do logotipo ovalado investe em mapeamento 3D, pesquisa, sensores e radares baseados em laser.

Terça-feira, dia 16, foi anunciado um investimento que pretende acelerar o desenvolvimento de alguns dispositivos e aumentar a utilização em sistemas avançados de assistência. Foi dito também que a montadora irá dobrar o tamanho da equipe que trabalha na pesquisa, em Palo Alto, no Vale do Silício, para cerca de 300 pessoas. O executivo também não quis dizer se a montadora pretende realizar algum tipo de parceria com o Lyft e o Uber, para compartilhar os referidos veículos.

No mês de abril, o Baidu informou que tinha formado uma equipe de veículos autônomos perto de Sunnyvale, na Califórnia, focando na produção dessas tecnologias facilitadoras como robótica, aprendizagem automática e visão computacional.

FILIPE R SILVA


Ainda não se fala muito deles, dos tais carros autônomos, mas a ideia não é de agora e já fez muito barulho em alguns cantos do mundo. Já vimos, por exemplo, companhias que nada tem com o setor automobilístico desenvolver o seu protótipo como também certas cidades americanas onde já se trabalham em leis para eles. Destacando que ainda não existem comercialmente de fato. Recentemente até o FBI entrou na discussão manifestando preocupação em relação ao fato de que esses veículos poderiam auxiliar criminosos.

Mas pelo ou sim ou pelo não um fato não deixa de passar despercebido: seria uma boa saída para alguns motoristas, principalmente para aqueles que encaram todos os dias o trânsito anormal dos grandes centros urbanos e se estressam tanto que acabam ganhando uma gastrite nervosa.

Como dito anteriormente diversas empresas, grandes por sinal, têm gastado tempo e dinheiro nesses projetos. A gigante da internet, Google, já tem o seu próprio modelo nos EUA. A Volvo também não quer ficar para trás e também trabalha na área.

Com tudo isso e com tanta gente trabalhando em cima de uma única coisa é de se perguntar quando é que realmente teremos carros autônomos nas ruas. Certo ou errado tem gente importante já dando seus palpites. Esse é o caso de Elon Musk, o CEO da Tesla Motors. Segundo ele os consumidores não precisarão esperar tanto tempo assim. A previsão é de que os veículos já possam ser comercializados dentro de 5 ou 6 anos.

Musk também aborda algo interessante ao ressaltar que este também seria o prazo mínimo para que as leis atuais possam se adaptar a essa tecnologia. Além desses comentários dados por meio de uma entrevista ao jornal americano Wall Street Journal ele ainda destaca que o grande fator que tem sido um empecilho para que a coisa evolua mais rápido é no que diz respeito à tecnologia de reconhecimento de objetos.

De acordo com ele, tanto a Tesla quanto outras empresas do setor estão empenhadas na questão. Ou seja, cada uma busca do seu jeito uma forma sempre melhor desses veículos se deslocarem e serem capazes de identificar o que vem pela frente. Uma batalha para os programadores já que essa parte quem coordena é o software presente no carro.

Por Denisson Soares

Carro aut?nomo

Carro aut?nomo

Fotos: Divulgação


Em breve dirigir seu próprio carro será totalmente ultrapassado. De acordo com a publicação da revista Forbes, a montadora Audi ganhou uma autorização para circular com automóveis que não precisam de motoristas no estado de Nevada, Estados Unidos.

É importante lembrar que a companhia é a primeira fabricante de carros a receber esse tipo de licença. Até o momento, apenas a Google tinha essa licença, pois em 2012 a empresa desenvolveu o Toyota Prius autônomo, nos Estados Unidos.

Por enquanto a Audi não revelou como será usada a tecnologia no estado norte-americano, mas segundo a revista, o sistema para condução autônoma da companhia alemã foi fruto de uma parceria entre a Universidade de Stanford e a Volkswagen, que para quem não sabe pertence a Audi, ele funciona graça a um navegador GPS, computadores e sensores ao redor do automóvel que simulam o comportamento humano no volante.

Ainda que para nós o sistema e condução autônomo seja uma grande novidade, para a Audi ele já é conhecido. Em 2010 aconteceu no estado do Colorado a tradicional competição Pikes Peak, e a Audi realizou a subida de montanha com um TTS sem piloto.

Por Felipe Santos Bonfim





CONTINUE NAVEGANDO: