Frear e parar de forma correta no trânsito tem importância fundamental para que não aumente as chances de acontecerem acidentes de trânsito. As regras oficiais do assunto se encontram presentes do Artigo 42 ao 48, referentes ao CTB (Código de Trânsito Brasileiro).

No ato de trafegar, motoristas devem aumentar o nível de atenção ao frear. Antes de pisar ao pedal do freio, condutores precisam olhar nos retrovisores, sinalizar e evitar representar problema ao fluxo no trânsito. Outro ponto a se considerar consiste na necessidade de jamais frear de modo brusco, a não ser em momentos de emergência.

Operações de carga/descarga, estacionamentos e paradas necessitam acontecer nos horários e locais permitidos de acordo com as placas. Tais atividades acontecem no sentido do trânsito, paralelamente ao bordo ou conforme informações presentes na sinalização.

Não se pode ignorar o fato de que nos locais com placa de “Proibido Estacionar”, motoristas têm permissão de parar o veículo apenas para embarcar ou desembarcar passageiros, sempre ao lado da calçada, sem representar perigo no fluxo de carros e pedestres. Cuidado máximo deve ser empregado no momento de abrir e fechar as portas.

As leis gerais de trânsito indicam ser proibido parar na pista de rolamento. Permissão existe apenas aos momentos de emergência e com o sinal de pisca-alerta ativo no veículo. Colocar triângulo de emergência em distância de trinta metros do veículo consiste em outra norma a se respeitar para não atrapalhar o trânsito ou receber infrações.

Proibido estacionar o veículo nos seguintes locais: Distância superior de cinquenta centímetros da calçada, na contramão, em esquinas, faixas de segurança, calçadas, canteiros, fila dupla ou lugares e horários não permitidos de acordo com a sinalização presente nas placas.

Vale ressaltar que é proibido estacionar perto de hidrantes, em frente ao ponto de ônibus ou das guias rebaixadas.

Por Renato Duarte Plantier


Quem excede limites de velocidade corre risco de receber multa de trânsito e pontos no prontuário da CNH (Carteira Nacional de Habilitação). Conforme o caso a infração pode ser gravíssima e gerar suspensão da licença para dirigir.

A infração mais perigosa e que gera maior revés aos motoristas se encontra no ato de trafegar com veículo em velocidade superior do que cinquenta por cento do limite da via. Motoristas devem seguir a lei inclusive quando não há placas que determinam as limitações.

De acordo com o código do CTB (Código de Trânsito Brasileiro), Artigo 218, motoristas que recebem multas por conta de velocidade acima de cinquenta por cento têm infrações multiplicadas por três. Ou seja, ao considerar o valor de 7 pontos por conta da infração gravíssima de trânsito e a quantia multiplicada, se chega no resultado de 21 pontos.

Em consequência de ultrapassar a casa dos 20 pontos, motoristas possuem a CNH suspensa por doze meses, além da multa, que aos casos gravíssimos se equivale em R$ 191,54, mas por conta da multiplicação por três fica em R$ 574.

Ainda ao considerar o Artigo 228 do CTB, trafegar com veículo na velocidade entre vinte e cinquenta por cento do limite permitido consiste em multa grave que gera cinco pontos no prontuário dos condutores infratores, além da necessidade de pagar R$ 85,13.

Fazer tráfego em qualquer tipo de via com velocidade menor de vinte por cento superior ao limite incide na multa do tipo médio (quatro pontos na CNH e R$ 85,13). Não se pode ignorar o fato de que a falta de aceleração também traz infrações de trânsito.

Por exemplo, quem trafega com ritmo inferior à metade permitida na via recebe infração que se equivale aos casos de velocidade menor do que vinte por cento superior à limitação, ou seja, quatro pontos na CNH e R$ 85,13.

Por Renato Duarte Plantier

Foto: divulgação


De acordo com informações da CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito), há comportamentos por parte de condutores que podem gerar multas, de nível médio até gravíssimo. Infrações de trânsito são definidas conforme Artigos presentes no Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Talvez a multa com maior gravidade, entre a lista das infrações referentes aos comportamentos irregulares de condutores, seja o ato de dirigir com álcool no sague ou sob o efeito de drogas psicoativas alucinógena.

Tal fato é de nível gravíssimo, multiplicado por dez, o que implica em multa de R$ 1.915,40, além do recolhimento da CNH que fica suspensa por doze meses. Para recuperar o documento se faz preciso reiniciar processo de habilitação desde o início.

Outro tipo de multa do tipo gravíssima se encontra em permitir com que pessoas sem condições físicas ou psicológicas trafeguem com veículos. Proprietários que autorizam perdem sete pontos na carteira e precisam pagar quantia de R$ 191,54. Condutores que trafegam com crianças, sem tomar medidas de segurança, têm punição semelhante, com a diferença no adicional da recolha do veículo.

Entre as infrações de condutores mais popular está o cinto de segurança. Quem não usa o instrumento de defesa corre risco de receber multa grave, que se equivale em cinco pontos na CNH, além da recolha do veículo e custo de R$ 127,69.

Regras do trânsito indicam que condutores devem estar com capacidade física e mental para trafegar com veículo de maneira regular. Quem não tem condições momentâneas não pode assumir a direção, do contrário, corre risco de recebe infração média que custa R$ 85,13 e quatro pontos no prontuário.

Atirar objetos na pista gera o mesmo tipo de infração, assim como trafegar com veículo ao usar apenas uma das mãos, celular, fones de ouvido, braços fora da janela, coisas entre as pernas de condutores ou calçado impróprio / inseguro.

Por Renato Duarte Plantier

Foto: divulgação


Todo o ano é a mesma coisa, temos que pagar o IPVA no começo do ano, depois tem que pagar o licenciamento para depois poder “dirigir o carro”. Mas como funciona esses pagamentos, e por que o licenciamento não fica pronto na hora?

O esquema de licenciamento funciona da seguinte forma: você paga o licenciamento no mês que for vencer, de acordo com o final da placa:

1 Abril

2 Maio

3 Junho

4 Julho

5 e 6 Agosto

7 Setembro

8 Outubro

9 Novembro

10 Dezembro

Geralmente os órgãos públicos demoram 5 ou 10 dias para fazer o documento, então perceba que não é na hora que o documento fica pronto. É conveniente que você leve para fazer o licenciamento alguns dias antes de acabar o mês, pois documento vencido resulta em multa.

Por Mateus Silveira

Fonte: www.detran.sp.gov.br





CONTINUE NAVEGANDO: